Não é só com o orçamento mensal familiar que evitamos despesas desnecessárias e desperdício. Darmos um destino correto a tudo o que não queremos em casa é também uma forma de poupança. No bolso e no ambiente, 

Comecemos pelos monos. A palavra é mesmo essa MONO. Telefona. Agenda e vão buscar, ao contentor o lixo volumoso que não quer. Deixar ao pé do caixote à espera que alguém resolva não é solução e dá direito a penalizações que variam entre as centenas e os milhares de euros.

Por exemplo, no município da Amadora a coima varia entre os 500 e os 3.740 de euros. 

Não se esqueça que também tem a possibilidade de denunciar o lixo mal direcionado de terceiros. 

O universo de reciclagem é variado, mas a “Arte de bem reclamar” escolheu mais dois exemplos só para o deixar a pensar. As cápsulas de café e a eletrónica/ tecnologia.

Em tempo de pandemia consumimos mais café e outros produtos de cápsula em casa, mas estaremos a recicla-los bem?

Além dos contentores verde, amarelo e azul há outros em vários locais para qualquer cápsula usada e intacta.

E porque hoje não vivemos sem eletrodomésticos ou tecnologia também pode dar um destino a este tipo de desperdício ao mesmo tempo que ajuda os bombeiros.

Se está a pensar em tudo o que ficou por dizer, pode tirar qualquer dúvida ao telefone na linha de reciclagem do site da EGF ou pesquisar o destino para uma infinidade de “lixos” em Wasteapp, descarregando a aplicação ou no site.

Deixe as suas sugestões de temas em aconteceaosmelhores@tvi.pt.

Alda Martins