Uma mulher foi obrigada a pagar uma multa de 500 dólares (cerca de 406 euros) por causa de uma maçã que recebeu, de forma gratuita, durante um voo da companhia aérea Delta Air Lines, e que optou por não comer de imediato e guardar para mais tarde. A notícia é avançada pela BBC

Crystal Tadlock fazia a ligação de Paris para Denver, nos EUA, e, como é habitual, a tripulação do voo ofereceu um lanche a todos os passageiros. Como na altura não lhe apeteceu comer a maçã, decidiu guardá-la na mochila, sem imaginar que isso lhe pudesse trazer problemas.

Assim que o avião aterrou no Estado norte-americano de Minneapolis, onde fez escala, Crystal foi surpreendida quando as autoridades viram a maçã e disseram que todos os produtos agrícolas tinham de ser declarados e que, por isso, teria de pagar uma multa de 500 dólares. 

A mulher explicou que a maçã lhe tinha sido oferecida durante um voo e chegou mesmo a dizer que podia comê-la naquele momento ou deitá-la fora, se os agentes aduaneiros assim entendessem. Argumentos que não convenceram as autoridades dos serviços de fronteira dos EUA, que decidiram aplicar a sanção. 

É realmente uma pena que alguém tenha de pagar por isto e ser ainda tratado como um criminoso por causa uma peça de fruta", afirmou Crystal, de acordo com a estação de televisão KDVR, citada pela BBC

Delta Air Lines recusou-se a comentar o incidente. No entanto, a empresa emitiu um comunicado onde incentiva "os seus cliente a seguirem as normas dos Estados Unidos e os protocolos da proteção das fronteiras”.

Crystal Tadlock tinha duas hipóteses: ou pagava a multa ou contestava-a judicialmente. De acordo com a KDVR, disse que queria levar o caso a tribunal.