Uma jovem reencontrou a família 20 depois de se ter perdido, numa viagem de comboio entre Misnk e Asipovichy, na Bielorússia. Na altura, com apenas quatro anos, Yulia Gorina acabou na cidade russa de Ryazan, a mais de 880 quilómetros de casa.

O pai da rapariga, Viktor Moiseenko, adormeceu durante a viagem de comboio entre a capital Minsk e a terra onde a família vive, Asipovichy, a cerca de 96 quilómetros de distância. A rapariga contou que foi raptada por um casal que estava fugido à polícia, com quem passou cerca de três semanas, antes de ser encontrada pela polícia.

Yulia Gorina acabaria por ser encontrada pelas autoridades na estação de comboios de Ryazan. Embora tenha dito que era bielorussa, a polícia não conseguiu encontrar o paradeiro da família da criança. A jovem acabou por ser criada por uma família adotiva, na Rússia.

O pai de Yulia Gorina penitenciou-se ao longo de 20 anos.

 A ação de Ilya Kryukov, namorado da rapariga, foi decisiva para o reencontro. O homem de 31 anos incentivou a namorada a procurar pelos pais biológicos, acabando por encontrar o rasto através de pesquisas na Internet.

As ligações familiares foram confirmadas depois da realização de um teste de ADN, que confirmou as suspeitas - segundo a família, as parecenças são inequívocas.

Foi provado por teste de ADN, mas já era óbvio antes disso, somos tão parecidos, percebi depois de ver as fotografias", contou Yulia Gorina à imprensa russa.

Além dos pais biológicos, a jovem conheceu os seus irmãos, Dmitry e Nadezhda. Após a reunião, a família refletiu sobre toda a história.

Os meus pais contaram-me que me procuraram durante tanto tempo, que sempre acreditaram que me iam encontrar um dia", referiu a rapariga.