Um agente imobiliário de 48 anos decidiu vingar-se da ex-mulher, espalhando panfletos que a apresentavam como prostituta e que anunciavam serviços sexuais. O caso aconteceu emHigienópolis, na Zona Oeste de São Paulo, no Brasil. 

Os panfletos mostravam uma suposta trabalhadora sexual que era, afinal, uma médica e a ex-mulher do autor dos anúncios. Uma separação mal aceite terá estado na origem da falsa publicidade.

Foi à saída de um hospital pediátrico que uma médica reconheceu a colega de trabalho. Num poste, um panfleto anunciava serviços sexuais com a fotografia de uma profissional daquela instituição. A visada, um médica de 44 anos, foi então alertada para a situação e fez queixa junto das autoridades paulistas.

Em consequência da utilização da sua imagem em anúncios de teor sexual, a médica recebeu mensagens solicitando os serviços divulgados através do Whatsapp. O ex-companheiro terá também tentado contactá-la através da sua secretária. Como a resposta foi negativa, o homem terá insultado a ex-mulher e sugerido que a mesma estaria a prostituir-se.

O autor dos anúncios foi entretanto detido pela polícia em posse do material difamatório e confessou o crime, dizendo-se arrependido.

O homem, um agente imobiliário de 48 anos, esteve numa relação com a médica durante sete anos. Têm uma filha em comum, agora com quatro anos, e estão separados há dois meses. Está agora a decorrer um inquérito policial para apurar os crimes de difamação e violência doméstica.