Um erro de uma empresa farmacêutica provocou uma doença conhecida como "síndrome de lobisomem" a 17 bebés, em Espanha. O caso já foi confirmado pelo Ministério da Saúde espanhol, que adiantou que na origem do caso estará uma troca de medicamentos: em vez de omeprazol, medicamento destinado a complicações gástricas, os bebés terão recebido minoxidil, um vasodilatador utilizado em tratamentos para a calvície, tendo por isso ficado com o corpo coberto de pelos. 

A falha da Farma-Química Sur já fez dez vítimas na Cantábria, quatro na Andaluzia e três na Comunidade Valenciana. Todas as crianças sofrem de uma crise parecida com a hipertricose, uma rara doença genética que faz com que o corpo humano produza excesso de pelos. A ministra da Saúde espanhola, Luisa Carcedo, disse à imprensa que a falha "partiu de uma embalagem errada".

O meu filho estava cheio de pêlo na testa, bochechas, braços, pernas e mãos. Tinha as sobrancelhas de um adulto. Foi muito assustador porque não sabíamos o que se estava a passar com ele", contou uma das mães ao El País.

Os primeiros casos colocaram a Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários (Aemps) em alerta. As investigações das autoridades levaram ao omeprazol, que teria sido distribuído pela Farma-Química Sur. A Aemps enviou os inspetores para uma das fábricas da empresa, em Málaga, onde o erro foi detetado.

O Sistema Espanhol de Farmacovigilância de Medicamentos para Uso Humano recebeu a notificação de 13 casos de hipertricose (excesso de pêlo) em crianças associados ao fármaco omeprazol. Depois de uma análise levada a cabo pela Aemps, foi detetado que um lote continha minoxidil, um medicamento utilizado para o tratamento da alopécia", explicou a Aemps.

O primeiro alerta surgiu a 11 de julho, e centrou-se apenas num dos lotes que tinha ido para o mercado. Posteriormente, a notificação de novos casos relacionados com hipertricose levou a ampliar o alerta a 22 lotes. A fábrica está agora encerrada por "graves incumprimentos detetados nas normas de controlo do fabrico de medicamentos".

 Embora todos os casos da doença estejam já controlados, pode levar alguns meses até que todos os efeitos do minoxidil se desvaneçam.

O filho está bem, ainda que falte uma consulta de cardiologia em setembro. O pêlo cai a pouco e pouco e os médicos disseram que pode demorar meses a desaparecer", contou uma das mães ao El País.

Contactado pela TVI, o Infarmed afirma que não trabalha com esta empresa, pelo que não existe o risco de o problema se verificar em Portugal. A instituição responsável pelos medicamentos em território nacional esteve em constantes conversações com as suas congéneres europeias para garantir que não existe risco em Portugal.