Podia figurar num episódio de novela, mas passou-se na vida real. Testes de ADN comprovaram que Jan Karbaat, dono de uma clínica de fertilidade holandesa, é pai de pelo menos 49 crianças concebidas no próprio centro, em Roterdão.

O médico morreu em 2017, com 89 anos, e, na altura, pensava-se que seria pai biológico de cerca 60 pessoas que nasceram através de procedimentos realizados no centro de reprodução assistida. Agora, segundo a AFP, testes de ADN confirmaram que é o progenitor de pelo menos 49 destas crianças.

Jan Karbaat foi acusado de falsificar dados e descrições dos doadores, num processo que começou em abril de 2017. O médico terá substituído o sémen de dezenas de doadores pelo seu próprio esperma, que usou para inseminação.

Jan Karbaat morreu sem cooperar com a justiça holandesa e, há dois anos, o juiz responsável pelo caso afirmou não existirem provas concretas de ADN suficientes para acusar o médico. As amostras recolhidas de 27 objetos pessoais de Jan Karbaat, incluindo de uma escova de dentes, foram guardadas num cofre e novamente analisadas este ano.

Em fevereiro, os testes foram finalmente realizados e ficou comprovado o crime do médico, que concebeu pelo menos 49 crianças nas duas décadas de funcionamento da clínica. A lei holandesa impede os doadores anónimos de terem mais de 25 filhos.

Agora, depois de anos de incerteza, os lesados podem finalmente fechar este capítulo e começarem a processar o facto de serem parte dos muitos descendentes de Jan Karbaat”, afirmou Lara de Witte, conselheira de Defesa das Crianças, citada pela AFP.

As autoridades não conseguiram apurar qualquer justificação para as atitudes do médico.