Foi a seca provocada pelas temperaturas altas do verão passado que permitiu que o Dólmen de Guadalperal voltasse a ver a luz do dia: conhecido como o "Stonehenge espanhol", o conjunto de rochas megalíticas fica em Peraleda de la Mata, uma vila espanhola a cerca de 170 quilómetros de Madrid.

A formação rochosa, com cerca de cinco mil anos, estava submersa pelo rio Tejo desde 1963 devido à construção da barragem de Valdecañas, mandada construir por Franco numa tentativa de modernização das zonas rurais do país. 

Resultado de imagem para The Dolmen of Guadalperal
A estrutura rochosa pode ter sido uma casa, ou mesmo um mercado. Fotografia: Wikimedia Commons

O Dólmen de Guadalperal tem cerca de 140 menires, rochas megalíticas que têm até dois metros de altura, dispostas em círculo e com gravuras de serpentes. Tal como o Stonehenge, no Reino Unido, não existem certezas sobre as origens deste monumento.

No passado mês de julho, os satélites da NASA conseguiram identificar do espaço a localização da estrutura, visível numa zona de terra seca graças ao recuo da linha de costa.

Os arqueólogos acreditam que foi originalmente construído como um espaço fechado. Pode ter sido um túmulo, um espaço de rituais religiosos ou um mercado local”, escreveu a NASA em comunicado.

A última exploração ao Dólmen de Guadalperal foi feita na década de 20 do século passado, pelo arqueólogo alemão Hugo Obermaier. Quando Obermaier publicou os resultados do que encontrou, a Reserva de Valdecañas afundou a história na água”, refere a nota da agência espacial norte-americana.

As chuvas do próximo outono e inverno poderão voltar a submergir o monumento e há quem defenda a necessidade de aplicar medidas drásticas para o preservar.

O presidente da Associação Cultural Raízes de Peraleda, Angel Castaño, disse à imprensa que o plano seria transferir a estrutura para outro local, ressalvadndo: “O que quer que seja feito, precisa de ser feito com muito cuidado”, disse Castaño.

Resultado de imagem para The Dolmen of Guadalperal
Crê-se que o Dólmen de Guadalperal seja mais antigo que o próprio Stonehenge. Fotografia: Wikimedia Commons