E se de repente a sua vida pudesse ser um filme? Se pudesse ser o próprio realizador, escolher todas as pessoas à sua volta e trocá-las, caso não gostasse? Agora, graças a uma empresa japonesa isto já é possível. A Family Romance é uma empresa que conta com mais de dois mil atores que prestam todo o tipo de serviços. Se precisar de um novo pai ou mãe, alugue. Se precisar de um amigo, mas não tiver nenhum, alugue. Se precisar de um despertador personalizado e de carne e osso… alugue.

Esta é a proposta da empresa japonesa que oferece pessoas para todo o tipo de serviços possíveis e imaginários. O fundador, Yuichi Ishii, vai escrever um livro sobre a experiência intitulado “A Loja de Aluguer de Humanos”, onde conta como lhe surgiu a ideia de criar este negócio que, de tão popular, já deu origem a um filme, a estrear no Festival de Cannes deste ano. O realizador alemão Werner Herzog entusiasmou-se com a história e decidiu fazer um filme sobre que se chama “Family Romance, LLC”. Pode ver o trailer em baixo.

É a própria companhia que lhe monta o cenário. No site podemos ler o seguinte: “Eu queria apresentar os meus pais à pessoa de quem gosto, mas como tenho vergonha deles queria que alguém representasse como meu pai e minha mãe”. A Family Romance diz mesmo que adequa a pessoa às necessidades do cliente, fornecendo-lhe o pai perfeito para cada ocasião. O aluguer de um pai e de uma mãe fica a 20 mil yens por pessoa (cerca de 162 euros).

Mas imagine que simplesmente gosta de acordar com uma voz suave e calmante. A Family Romance cobra-lhe mil yens (perto de oito euros) por um despertador humano, que será personalizado tendo em conta o gosto do cliente.

Se tiver poucos convidados para o casamento, ou simplesmente quiser levar um amigo novo a qualquer lado, a empresa de Ishii também trata disso. Avós, netos, sobrinhos, tudo o que puder imaginar pode ser alugado nesta empresa japonesa.

A empresa fundada em 2017 vai ao ponto de, no caso de aluguer de familiares, escolher o ator que mais se parece com o cliente. De facto, convém que os seus “pais” sejam minimamente parecidos consigo. Dos oito aos 80, a empresa também conta com bebés como atores, caso precise de um neto de última hora.

Ishii contou à BBC como lhe surgiu a ideia de criar este negócio. O empresário explica que a sociedade japonesa sofre um grande flagelo de divórcios, num sistema que ainda não aceita bem a família monoparental. 

Há 14 anos uma amiga minha divorciada queria matricular a filha na escola, mas o estabelecimento pediu uma entrevista com o pai e ela não soube o que fazer”, conta Ishii

O japonês confirma que a figura de pai é a mais procurada. O negócio vai ao ponto de o ator formular uma história em que deve explicar à criança porque não esteve presente até ao momento, criando uma verdadeira encenação. Ishii conta que a empresa tem “pais amáveis, pais fortes, pais elegantes… o que o cliente quiser”.

O próprio fundador da Family Romance é, neste momento, pai de 25 famílias, contabilizando um total de 69 relacionamentos falsos. Para não se esquecer de nenhum nome, Ishii transporta um pequeno caderno com várias informações sobre cada família, incluindo datas de reuniões de pais, às quais chega a atender.