Um suposto caçador de rinocerontes foi atacado, e morto, por um elefante. Mais tarde, um grupo de leões acabou por comer os restos mortais, deixando apenas o crânio e as calças. O incidente ocorreu na segunda-feira, no Kruger National Park, na África do Sul, quando um homem e quatro amigos entraram no parque com o propósito de caçar, ainda que ilegalmente, rinocerontes para tráfico de marfim. 

Ao que parece, nos relatos que os colegas fizeram à polícia, o elefante surpreendeu o caçador acabando por matá-lo. Segundo a CNN, os companheiros “dizem que levaram o corpo até à a estrada para que pudesse ser visto pela manhã. E desapareceram do parque”.

A família foi notificada da sua morte terça-feira ao final da tarde e, nesse mesmo dia, deu-se início às buscas. Os guardas-florestais fizeram buscas a pé, enquanto que a polícia sobrevoou a área, mas, devido à falta de luminosidade, o corpo não foi avistado.

As diligências foram retomadas na quinta-feira de manhã e, com um reforço da equipa, a polícia acabou por encontrar o pouco que restava do corpo da vítima.

Os indícios encontrados na cena indicam que um grupo de leões terá devorado os restos mortais, deixando apenas o crânio e um par de calças”, informou a polícia.

Glenn Phillips, o diretor administrativo do Kruger National Park, enviou condolências aos familiares da vítima.  

Os companheiros de caça deste homem foram levados, enquanto principais suspeitos, e ouvidos pela polícia local. O caso continua sob investigação.

O Kruger National Park é considerado uma das maiores áreas protegidas para animais selvagens como rinocerontes, elefantes, leopardos, búfalos, entre outros. No caso concreto dos rinocerontes, estes têm uma forte procura por parte dos caçadores, com o objetivo de, depois de mortos, poderem traficar os seus chifres. A caça neste parque é ilegal e punida pelo governo.