Uma estátua de bronze da Virgem Maria,  com mais de dois metros de altura, numa igreja católica em Las Cruces, no estado do Novo México, nos Estados Unidos, tem "lágrimas" a caírem-lhe pelo rosto, há dois meses. De acordo com o "The Washington Post", o fenómeno tem vindo a atrair milhares de curiosos e até especialistas que procuram explicações. 

A escultura, conhecida localmente como Nossa Senhora da Guadalupe, não está a verter exatamente lágrimas humanas. Um investigador e a Diocese de Las Cruces afirma que as "lágrimas" vertidas pela estátua são um líquido composto por azeite juntamente com perfume, substância que é utilizada quando as pessoas se benzem. Trata-se de um óleo sacramentado utilizado na igreja católica para ungir os cristãos.

Segundo um especialista, a questão não se baseia meramente em como aconteceu, mas porque razão as pessoas estão a reagir ao fenómeno e querem acreditar que a estátua está realmente a chorar.

Há um certo entusiasmo e curiosidade quando coisas semelhantes acontecem. Porque é como que uma confirmação das crenças tradicionais de que Deus existe e coisas sobrenaturais são visíveis no nosso mundo”, diz John Thavis, jornalista e escritor do livro "As profecias do Vaticano", de 2015.

O insólito começou no dia 20 de maio, no domingo de Pentecostes, quando os paroquianos da Igreja Católica Nossa Senhora de Guadalupe, em Hobbs, notaram que havia um líquido a escorrer dos olhos da Virgem Maria, divulga Judy Ronquillo, responsável pela igreja.

O padre José Segura garante nunca ter visto nada assim em 12 anos de sacerdócio e foi difícil de acreditar que esta situação estivesse mesmo a acontecer. A existência de câmaras na igreja confirma que não há nenhuma explicação humana para o sucedido e esclarece que se houvesse evidências disso, não permitiria que isto continuasse.

É algo extraordinário para o padre. Não tem palavras para isto. Houve um momento em que não acreditou, mas agora já acredita”, acrescenta Judy Ronquillo.

O diácono Jim Winder, da Diocese de Las Cruces, analisou com especialistas a estátua, a área circundante e até o teto e não encontraram sinais de que tenha existido qualquer alteração. Os investigadores falaram inclusive com a empresa que construiu a estátua, no México, e foi confirmado que a escultura de bronze é oca por dentro, não sendo possível que esteja a verter alguma substância líquida existente no interior.

Os investigadores recolheram cerca de cinco mililitros de “lágrimas” e foram realizados testes, cujos resultados esclarecem que é uma espécie de mistura de azeite com perfume, como o óleo utilizado no crisma.

Não acreditamos que o óleo do crisma fosse levado da igreja e usado para adúlterar a estátuta. Não temos uma explicação para isto”, diz Winder.

Apesar dos responsáveis da igreja católica não estarem muito preocupados em perceber a razão do fenómeno, Jim Winder afirma que a diocese está a tentar perceber como a insólita situação aconteceu, para ser dada uma explicação aos crentes.

Honestamente, é o mais importante. O fenómeno tem levado as pessoas a ficarem mais próximas de Deus”, segundo Winder.

John Thavis defende que quando ocorrem sinais sobrenaturais na igreja católica, os crentes aproveitam para pedir favores nas suas orações e acreditam que Deus pode “estar a providenciar uma ligação direta e as pessoas querem tirar proveito disso”. Nestas situações o Vaticano, geralmente, permite que o fenómeno se desenrole sem intervir e espera o mesmo dos bispos locais, porque as ocorrências “acabam muitas vezes por ser falsas ou explicadas pela ciência”. A explicação deste fenómeno pode demorar anos até ser encontrada e também há ocasiões em que, apesar de existir uma investigação completa, nenhuma explicação chega a ser conseguida.

Se isto não tem mão humana, só restam duas razões possíveis – o Diabo e Deus. Tudo o que podemos dizer neste momento é o que não é.”, conclui Winder.