Uma conhecida escola privada no Reino Unido impôs um limite de 55 euros para presentes de Natal a professores.

A imposição acontece depois de professoras terem recebido malas de marcas de luxo ou vouchers para restaurantes com estrelas Michelin. Há relatos ainda de pais que chegam a gastar mais de 5000 euros por período escolar em presentes a professores.

Aconteceu na escola St. Helen e St. Katharine em Abingdon, Oxfordshire, Inglaterra.

Segundo os regulamentos, que a escola garante serem claros e que os pais deveriam conhecer, não são permitidos presentes que possam deixar os docentes numa “posição desconfortável”, mas a St. Helen e St. Katharine decidiu reforçar a mensagem com uma carta, datada de 23 de novembro e enviada a todos os pais.

O teto máximo dos presentes ficou, assim, estabelecido nos 55 euros, sendo que passa a ser completamente proibido oferecer dinheiro ou vales como vouchers. O valor do presente só pode ultrapassar os 110 euros se for oferecido por um grupo de alunos, isto é, pela turma.

Uma professora ter-se-á mesmo queixado junto da imprensa que mesmo um presente de 11 euros é demasiado, porque isso significa um total por turma de cerca de 330 euros.

“Aquilo que eu mais aprecio nesta época, é um cartão dos pais a dizer que o seu filho está feliz e adaptado”, disse a docente.

A decisão da St. Helen e St. Katharine acontece semanas depois de uma outra escola privada em Inglaterra ter proibido os alunos de usar casacos de marcas de luxo.

A partir de 1 de janeiro, nenhum aluno da Woodchurch, em Birkenhead, poderá voltar a usar casacos que chegavam a ultrapassar os 600 euros.