Viaja pelo mundo para colecionar cheiros, por vezes os mais inusitados. Sissel Tolaas já acumulou cerca de 7.000 amostras de odores e utiliza-as tanto na criação de objetos artísticos como na de produtos mais comerciais. Esta especialista em cheiros, da Noruega, até já fez sabonetes com os cheiros de ex-namorados.

O que eu faço é literalmente cheirar a realidade”, explicou Sissel Tolaas à BBC.

Formada em química, linguística e artes visuais, esta especialista norueguesa de 57 anos tem um laboratório de investigação em Berlim, na Alemanha, onde desenvolve os mais diversos projetos relacionados com cheiros, trabalhando de perto com universidades, museus e grandes empresas.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

ONLIFE_OFFLINE 2020 Cry Me a River.... Chemical Communication with Self. Research on the smell of FEAR / the FEAR of smell. Chemical signals emitted by my body in my sweat, when afraid, can be picked up by myself and can trigger fear in my brain and cause me cry. . Time for RE: I am Researching and Restoring Recordings and Remember to Reconsider, Remain and Resist..... Archival continuation of the project FEAR started in 2002 with and for MIT. In humans and other animals, fear is modulated by the process of cognition and learning. Thus fear is judged as rational or appropriate and irrational or inappropriate. An irrational fear is called a phobia. Fear is closely related to the emotion anxiety, which occurs as the result of threats that are perceived to be uncontrollable or unavoidable. The fear response serves survival by engendering appropriate behavioral responses, so it has been preserved throughout evolution. Sociological and organizational research also suggests that individuals’ fears are not solely dependent on their nature but are also shaped by their social relations and culture, which guide their understanding of when and how much fear to feel. #chemicalcommunication #extinctionofemotions #fear #onlife #offline #covid #future #smellresearch #emotionalintelligence #collaboaration #communication #codingself #self #ei #sssl_berlin #bigsystemthinking #chemistry #biology #neuroscience #sociology #politics#mit

Uma publicação partilhada por Sissel Tolaas 🌏🌍🌎 (@sssl_berlin) a

Começou nesta aventura nos anos 90, quando esta era ainda uma área pouco trabalhada.

Quando eu comecei, no início dos anos 90, ninguém fazia nada com cheiros”, contou numa entrevista ao Financial Times.

Foi nessa altura que, numa viagem à Polónia, saiu de uma estação de comboios em Varsóvia e capturou de imediato o cheiro a lignite (carvão). Acabou por viajar por todo o Leste Europeu e recolheu uma panóplia de cheiros, incluindo os mais inesperados e os menos agradáveis, como o do lixo.

Viaja sempre munida de vários materiais: luvas, sacos de plástico e todos os tipos de dispositivos analógicos.

Desde que ingressou nesta atividade, já desenvolveu dos mais diversos projetos em cidades de todo o mundo, como Paris, Londres, Nova Iorque, Estocolmo, Istambul, Xangai, Singapura e Tóquio.

Um destes trabalhos foi recriar o cheiro da Primeira Guerra Mundial para uma exposição em Dresden, na Alemanha. Diz que foi o odor mais repugnante que já criou em toda sua vida.

Baseei-me em livros de História e relatos de militares que tiveram alguma experiência em guerra. Criei o cheiro mais repulsivo que consegui imaginar para representar o campo de batalha", descreveu à BBC.

Outro projeto em que esteve envolvida foi a produção de queijo a partir de bactérias recolhidas da chuteira do ex-jogador de futebol David Beckham. O trabalho, realizado em parceria com a Universidade de Harvard, tinha como objetivo mostrar a importância das bactérias presentes na nossa flora. O queijo foi servido nos Jogos Olímpicos de Londres de 2012.

Mas as suas experiências abrangem também os odores corporais. Tolaas tem dispositivos que lhe permitem recolher as moléculas emitidas pelas fontes dos cheiros.

Vocês têm um smartphone e tiram fotos, eu tenho um dispositivo semelhante que tira fotos da realidade invisível.”

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Emotional Artefact 5/222 . . Giving ‘cleaning’ a purpose: Clean & Think Clean & Feel Clean & Tolerate Clean & Love Many of the most productive inventions are about working out how to use old inventions better. . . An ongoing project about tolerance and diversity. Smell-recordings and replication of 222 men. SmellID. Diversity. Love Lives. Replicated smells turned into soaps. Washing with the soap not only bring back the smell but also trigger the emotion and memory of these men. . Preservation of Memory! . . #newtool #language #emotionalartefact #tolerance #humanrelation #memory #emotionalintelligence #smell #passionforlife #chemistry #biology #fear #linguistics #smellresearch #earthday #joy #play #commitment #life #biodiversity #diversity #functionalsmells

Uma publicação partilhada por Sissel Tolaas 🌏🌍🌎 (@sssl_berlin) a

A especialista revelou que recolheu amostras dos cheiros de todos os ex-namorados e que até fez sabonetes com alguns deles.

Mais, Tolaas confidenciou ainda que também utiliza os cheiros para fugir de festas e eventos sociais.

Quando vou a uma festa e não quero falar sobre o tempo mais uma vez, coloco um cheiro que permite que isso aconteça. As pessoas ficam à procura da fonte do cheiro, não fazendo ideia de que sou eu."

Sofia Santana