Uma mulher entrou em trabalho de parto esta quinta-feira no estado da Florida quando estava a tentar votar antecipadamente para as eleições presidenciais norte-americanas. Apesar da situação, recusou-se a abandonar o local e a ir para o hospital até preencher o boletim.

As autoridades responsáveis por vigiar as eleições no condado de Orange disseram aos meios de comunicação que a mulher já estava em trabalho de parto quando chegou ao local com o marido.

Segundo a funcionária que estava no local, Karen Briceño González, o marido pediu um boletim de voto para a mulher, dizendo mais tarde que ela estava no carro em trabalho de parto, mas que se recusava a ir para o hospital até que a deixassem votar.

Ela estava calma, mas o marido estava um pouco nervoso", acrescentou.

Os responsáveis apressaram-se a acorrer a situação, dando o boletim de voto e conferindo a respetiva identificação. O staff do local pensou que a mulher iria preencher o folheto mais tarde, mas, em pleno trabalho de parto, preencheu todo o boletim no local, recorrendo à técnica de respiração Lamaze.

Uma das pessoas responsáveis pela organização no local disse que este foi um momento de alguma emoção no meio de dias muito agitados: "Estamos muito, muito ocupados, mas quando algo assim acontece ficamos preenchidos", disse Deliz.

As autoridades confirmaram mais tarde que a mulher foi conduzida pelo marido a um hospital na cidade de Orlando.

As eleições presidenciais norte-americanas realizam-se no próximo dia 3 de novembro, sendo que o estado da Florida é um dos locais decisivos para escolher entre Donald Trump ou Joe Biden para o cargo.

António Guimarães