A administração do Banco Privado Português anulou as emissões de obrigações subordinadas, concluindo que os clientes poderão ter direito a anular o negócio de subscrição, realizado em Setembro e Outubro do ano passado, por João Rendeiro, retirando das carteiras de retorno absoluto passivos na ordem de 35 milhões de euros.

«A disparidade entre a impressão que causava a brochura então disponibilizada aos Clientes pelo Banco e a sua situação financeira real, aquando do lançamento destas emissões, levou o Conselho de Administração do Banco a concluir que os Clientes poderão ter direito de anular o negócio de subscrição».

As obrigações subordinadas foram subscritas pelo BPP «ao abrigo do mandato concedido pelo cliente, sem que este se tenha pronunciado sobre o mesmo».

A decisão da actual gestão já foi comunicada ao Banco de Portugal e à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Esta medida já terá reflexos durante este mês e traduzir-se-á na reposição dos valores da carteira.
Redação / JF