O Hospital do Funchal está a encaminhar os pacientes para fazerem exames de medicina nuclear numa clínica privada, a quem paga milhões de euros. Enquanto isso, a sua própria unidade de medicina nuclear, que foi construída e equipada com dinheiros públicos e financiamento comunitário, está praticamente parada.

A TVI visitou esta unidade e verificou que muitos equipamentos nunca chegaram a ser usados, e o médico e os técnicos que lá trabalham estão a maior parte do tempo sem fazer nada.

No decurso da investigação foi ainda possível perceber que a administração do hospital tentou concessionar a exploração desta unidade, financiada pelo Governo Regional e por Bruxelas, a uma entidade privada, enquanto mantinha a unidade fechada.

Durante os anos em que a unidade esteve impedida de funcionar, milhares de pacientes eram privados de exames que podiam ajudar a salvar vidas e melhorar a sua qualidade de vida.

O caso foi investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Funchal por suspeitas de fraude agravada e participação económica em negócio, mas acabou arquivado.

Desfecho diferente teve a investigação do Organismo Europeu Anti Fraude, que concluiu existirem irregularidades no uso dos dinheiros comunitários e vai exigir à Madeira que devolva uma parte das verbas.