João Rendeiro fez a polícia sul-africana esperar três horas antes de ser detido. A revelação em exclusivo à CNN Portugal é do gerente do hotel sul-africano Forest Manor Boutique Guest House, onde o ex-banqueiro foi apanhado. Foi também na suite onde estava hospedado que falou com o jornalista Júlio Magalhães.

O responsável pelo hotel, situado numa das zonas mais ricas de Durban, explica que o antigo homem forte do BPP foi surpreendido por três inspetores das autoridades sul-africanas por volta das 7:00.

Rendeiro terá pedido aos agentes que esperassem para que pudesse tomar banho, algo que acabou por demorar cerca de três horas.

“Fechou a porta e disse: esperem um pouco que vou tomar um banho. Esperaram três horas antes de o prenderem. Depois prenderam-no e foram-se embora”, conta Alfred Mabonde.

O gerente explica que o ex-banqueiro era muito amável e prestável e que circulava pelas zonas comuns com bastante frequência.

Alfred Mabonde acrescenta ainda que Rendeiro saía do complexo turístico com frequência durante as três semanas em que esteve hospedado.

“O sr. João para mim, na minha experiência, foi um homem muito simpático. Não estava stressado. Era apenas uma pessoa normal. Saía, ia dar um passeio até à vila, fazia exercício, saía para beber café, ir ao restaurante... Diria que não tinha qualquer comportamento suspeito”, refere.

O gerente confessa, por isso, que ficou surpreendido quando, no dia 11 de dezembro, foi interpelado pelos inspetores sul-africanos que tinham na sua posse dois mandatos de captura internacionais.

“Não agia como alguém que estivesse a fugir da polícia. Aliás, fiquei surpreso quando me disseram que a polícia estava à procura dele. Fiquei surpreso”, conclui.

João Rendeiro regressa nesta segunda-feira ao tribunal de Verulam, Durban, na África do Sul, mas a discussão do processo de extradição deverá ser adiada. O ex-banqueiro está detido no estabelecimento prisional de Westville, província de KwaZulu-Natal, há 26 dias.

Daniela Rodrigues Nuno Mandeiro / Michael Gilbee