Depois de o ter feito contra o Feirense na última jornada da Liga, Rui Vitória voltou a apostar nesta quarta-feira em Luisão e Lindelof para constituírem dupla no eixo da defesa dos encarnados.

Frente ao Dínamo Kiev, o capitão e o jovem central sueco formaram sociedade pela quarta vez nesta temporada e a garantia de sucesso é a ficha limpa das águias. Com eles no eixo da defesa, o Benfica não sofre golos: são 297 minutos (90 contra Dínamo Kiev, Feirense, Sp. Braga para a Supertaça e 27’ diante do Tondela na jornada inaugural da Liga).

Os números desta temporada vão dizendo que, para já, Lindelof e Luisão são a dupla que mais garantias dá ao técnico das águias, ou não tivessem estado (em simultâneo) em quatro dos cinco jogos em que os comandados de Rui Vitória não sofreram golos em 2016/17.

Jogos sem sofrer golos em 2016/17 (duplas de centrais utilizadas)

Benfica-Sp. Braga, 3-0 (Luisão e Lindelof)

Tondela-Benfica, 0-2 (Luisão e Lindelof + Lindelof e Lisandro)  – Luisão saiu aos 27 minutos

Desp. Chaves-Benfica, 0-2 (Lisandro López e Lindelof)

Benfica-Feirense, 4-0 (Luisão e Lindelof)

Dínamo Kiev-Benfica, 0-2 (Luisão e Lindelof)

Em conversa com o Maisfutebol, Paulo Madeira, antigo central e capitão do Benfica, considera que a ficha limpa dos encarnados com Luisão e Lindelof não é coincidência e que esta não é alheia à presença do veterano em campo. «Há um mês já se dizia que o Luisão estava acabado e hoje as pessoas têm outro tipo de discurso. É um jogador com muita liderança dentro de campo e notam-se diferenças com ele. Pode ter perdido algumas qualidades com os anos, mas continua a ser importante: é um jogador grande e só pela figura dele impõe respeito», começa por dizer o antigo central e capitão do Benfica.

«No jogo de ontem [quarta-feira], a equipa foi muito coesa e quase não se deu pelos centrais em campo. Para quem anda no futebol, isso é um excelente sinal. É como quando não se dá por um árbitro num jogo: é sinal que esteve bem», observa.

Apesar de os números sugerirem que Luisão e Lindelof são a dupla mais segura nesta época, Paulo Madeira sublinha que os encarnados têm quatro centrais com «muita qualidade». E acrescenta: «Eu não gostava de estar na pele do treinador do Benfica, que tem de decidir jogo após jogo qual é a dupla que deve jogar. Todos eles têm características diferentes, mas jogam sempre muito bem. Por um lado, isso deixa um treinador descansado, mas também o faz pensar porque tem de escolher entre quatro jogadores que dão garantias.»

Em 2016/17, Rui Vitória já recorreu a três duplas de centrais: Luisão/Lindelof, Lisandro/Lindelof (a mais utilizada e desfeita após a derrota por 4-2 com o Nápoles), Luisão/Lisandro e Jardel/Lisandro, esta última em apenas uma ocasião.

Dupla

Jogos

Golos sofridos

Lisandro/Lindelof

7

8

Luisão/Lindelof

4

0

Luisão/Lisandro

1

1

Jardel/Lisandro

1

1

Curiosamente, as duas duplas mais rotinadas na época passada (Luisão/Jardel e Lindelof/Jardel) não foram repetidas em qualquer dos 12 jogos oficiais que as águias já levam nesta temporada. Jardel, que tem estado praticamente sempre lesionado desde o arranque da época (só jogou contra o Arouca), foi até o jogador com mais minutos em 2015/16: 3979 em 44 jogos. «Se está atrás dos outros três agora? Eventualmente, vai ter de esperar pela oportunidade quando estiver recuperado», conclui Paulo Madeira.

David Marques