Foi do Estádio Azadi, em Teerão, o privilégio de o ver pela última vez em campo. Palco improvável, sinal dos tempos a assinalar o fim de um tempo. Xavi, o maestro que tratou a bola como poucos, terminou a carreira. Agora começa outra vida. A sequência natural de tudo, uma evidência para quem o viu em campo e o ouviu falar sobre o jogo. Ele vai ser treinador, claro.

A despedida, aos 39 anos, foi no Irão, no último jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões Asiática. O Al-Sadd já estava apurado e jogou com o Persepolis. Xavi jogou os 90 minutos e antes do jogo começar foi homenageado pelos rivais. Com direito a foto junto da equipa adversária e tudo.

 

Respeito, todo o respeito do mundo pelo médio que pensou o jogo como ninguém, que marcava ritmo e fazia jogar, a alma do jogo do Barcelona e da Espanha que dominou o mundo, numa simbiose perfeita com outro grande, Andrés Iniesta. Os tempos do Barcelona já lá vão há quatro anos. Despediu-se em 2015 do clube onde chegou com 12 anos, onde foi a extensão em campo de Pep Guardiola e do conceito de jogo que mudou o futebol e onde ganhou tudo o que havia para ganhar: 25 títulos, entre eles oito campeonatos de Espanha e quatro Ligas dos Campeões, 767 jogos com a camisola «blaugrana», ninguém tem tantos como ele. Com a Espanha começou por ser campeão do mundo sub-20 em 1999, antes de se tornar o coração da equipa que venceria tudo, um Campeonato do Mundo e dois Campeonatos da Europa.

Em 2015 decidiu tomar outro rumo quando percebeu que já não era indiscutível no Barça. Escolheu o Qatar, é lá que está há quatro anos. É lá que tem previsto começar a nova vida. O plano é suceder a Jesualdo Ferreira como treinador do Al-Sadd. Em agosto, quando o Al-Sadd defrontar o Al-Duhail de Rui Faria para os oitavos de final da Champions asiática, já pode ser ele a sentar-se no banco. Para já, Xavi foi porta-voz da homenagem ao treinador português, na despedida depois da conquista do título de campeão qatari: «Foi um prazer ser seu jogador, mas o mais importante é a pessoa. Como pessoa, estará sempre nos nossos corações.»

Agora é a vez de Xavi. Está escrito, sempre esteve no jogo dele, na sua paixão pelo futebol. «Xavi é o jogador mais amador que conheço, e ao mesmo tempo o mais profissional também, tal o seu amor pelo futebol», disse um dia Pep Guardiola: «Quando não está a jogar, está a ver futebol. Vai tornar-se treinador de certeza.»

Guardiola é uma das referências de Xavi, como é Luis Aragonés, com quem venceu o Euro 2008 e com quem passava horas a fio a conversar sobre futebol no hotel da seleção. «Acho que foi o treinador com quem passei mais horas a falar sobre futebol. Subia ao quarto e falávamos durante horas, por vezes ao estilo de ‘essa é a chave, Xavi, saber a que queremos jogar’. Sempre frisando a importância de juntar os bons em campo e também de não ter medo de ninguém, de nenhuma equipa, por mais que corram. ‘Tu e eu sabemos que a bola corre mais que eles. E tratamos melhor a bola que eles’, dizia-me», escreveu Xavi, numa espantosa carta aberta que publicou no dia da morte de Aragonés.

Mas as referências de Xavi e da forma como pensa o jogo vão ao princípio de tudo. Johan Cruijff. «A minha filosofia como treinador refletirá o estilo desenvolvido durante anos sob influência de Johan Cruijff e de La Masía e que tem o seu expoente no estilo de jogo do Barcelona. Encanta-me ver as equipas que tomam a iniciativa no campo, o futebol de ataque e voltar à essência que todos amamos desde a infância, o futebol de posse», disse Xavi quando anunciou o ponto final na carreira. Ou posto de outra forma, como ele próprio definiu em tempos: «O futebol é uma bola e uns quantos amigos. Um joguinho na praia ou num jardim. Entre sorrisos. Isso é o futebol. Miúdos a trocar a bola num pátio da escola.»

Xavi foi em campo o guardião dessa ideia. Quer sê-lo também como treinador. Mas também quer tempo. A expectativa é enorme. E o Barcelona uma sombra sempre presente. Xavi sonha lá chegar, mas quer ir passo a passo. Como disse ainda agora, não vai pegar já num Ferrari. Ele sabe, provavelmente, que a sua carreira no banco dependerá muito da forma como gerir essa pressão.

Começa agora. Nesta segunda-feira, Xavi fez aquilo que disse que queria fazer, «desfrutar uma última vez do jogo». Também disse que iria ter «muitas saudades da sensação de tocar a bola num estádio».

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Avui és l’últim partit de la meva carrera com a futbolista. Encara recordo quan era un nen: la il.lusió de jugar a futbol, de tocar la pilota, de gaudir amb els meus germans, la meva germana i amics fent un partidet. Avui amb 39 anys encara gaudeixo del futbol professional amb la mateixa il.lusió d’aleshores. És per això que simplement puc dir: GRÀCIES! Moltíssimes gràcies al futbol i a totes les persones que heu format part de la meva vida personal i futbolística. Enyoraré molt, moltíssim, la sensació de tocar la pilota en un estadi.😘❤⚽ ___ Hoy es el último partido de mi carrera como futbolista. Todavía recuerdo cuando era un niño: la ilusión de jugar al fútbol, de tocar el balón, de disfrutar con mis hermanos, mi hermana y amigos en cualquier partidillo. Hoy con 39 años todavía disfruto del fútbol profesional con la misma ilusión de entonces. Es por eso que simplemente puedo decir: GRACIAS! Muchísimas gracias al fútbol y a todas las personas que han formado parte de mi vida personal y futbolística. Añoraré mucho, muchísimo, la sensación de tocar el balón en un estadio.😘❤⚽ ___ Today is the last match of my career as football player. I still remember when I was a little kid: the enthusiasm playing football, kicking the ball, enjoying a game with my bothers, my sister and my friends. Today, at 39, I still enjoy professional games with the same enthusiasm. This is why I can only say: THANK YOU! Many thanks to football and to all the people who have been part of my personal and professional life. I will miss to no end the feeling of kicking the ball in a stadium. 😘❤️⚽️

Uma publicação partilhada por Xavi (@xavi) a

Também nós, Xavi. Mas o futuro está aí.

Artigo original: 20/05; 23h50