António José Seguro declarou-se disponível, caso seja eleito líder socialista, para ajudar o Governo a travar o desemprego jovem, situado nos 28 por cento, e avisou que «há mais política» para além do memorando da troika.

«Quero dizer ao primeiro-ministro que o PS está disponível, com propostas concretas, com ideias e com estratégias, para ajudar a minorar o problema dos jovens em Portugal», disse Seguro, que falava perante 250 militantes socialistas num hotel do Porto.

Considerando que «há muita gente que confunde as coisas e pensa que neste momento a única coisa que compete é cumprir o memorando», Seguro declarou-se indisponível «para suspender a política».

O acordo celebrado para assistência financeira internacional «é importante, mas há mais política para além do memorando da troika», afirmou o candidato a secretário-geral do PS, dando uma nova roupagem a uma frase que celebrizou antigo presidente da República Jorge Sampaio.

Num discurso de cerca de meia hora, António José Seguro sublinhou que «há milhares e milhares de portugueses que não acreditam nas palavras da [classe] política».

Considerou, por isso, que a tarefa do PS «é também a de, através da atitude, do comportamento e do exemplo voltar a reconciliar os cidadãos com a política».

António José Seguro, que não quis prestar declarações aos jornalistas, concorre com Francisco Assis na corrida à liderança do PS, estando as eleições agendadas para 22 e 23 de Julho.
Redação / SM