Últimas Covid-19

Todas as notícias sobre o novo coronavírus que está a preocupar as autoridades a nível mundial.
23 Outubro 2020
8 abr, 12:09

Imigrantes acusam Centro de Saúde das Caldas da Rainha de não atribuir número de utente

Cerca de meia centena de imigrantes brasileiros a residir nas Caldas da Rainha acusam o centro de saúde local de não cumprir a lei e de dificultar a atribuição do número de utente do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Wanderson Vieira, porta-voz do grupo, disse à agência Lusa que “várias pessoas que fizeram o pedido no Centro de Saúde das Caldas da Rainha não estão a conseguir obter o número de utente, ao contrário do que se passa noutros centros da região, como Óbidos ou Rio Maior”.

Em causa estão, “no mínimo, cerca de 50 pessoas” com processos a correr no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e que ao abrigo do Despacho 3863-B/2020, publicado em 27 de março, deveriam ter “direito pleno aos serviços de Saúde”, sublinhou o imigrante.

O despacho determina que se considere “regular” a permanência em território nacional de imigrantes com processos pendentes no SEF, “à data de 18 de março, aquando da declaração do Estado de Emergência Nacional”.

Porém, mesmo residindo há dois anos em Portugal, com contrato de trabalho e efetuando descontos para a segurança social, Wanderson e a família (mulher e dois filhos) continuam a ver protelada a atribuição do número de utente por parte do Centro de Saúde das Caldas da Rainha, que “agora pediu que voltasse a enviar todos os documentos (já entregues em 2019) por mail”.

Berenice Pereira, há oito meses a fazer descontos para a segurança social, depois de ter visto negado o pedido no mesmo centro de saúde, contou ter “voltado à carga quando saiu o decreto”, alegando estar a ser-lhe “negado um direito”. Mas a resposta foi “que mandasse um mail” e se preparasse “para uma grande demora porque há muitas pendências”.

“Neste Centro de Saúde é sempre assim”, reforçou Wanderson, lembrando que “colegas em Rio Maior e Óbidos obtiveram o número sem qualquer dificuldade”.

O número de pedidos sem resposta nas Caldas da Rainha está a “gerar uma revolta muito grande na comunidade”, que, adverte o porta-voz, “está a ponderar fazer um protesto à porta do Centro de Saúde, mantendo as distâncias e normas sanitárias”.

Questionada pela Lusa, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) esclareceu que no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, onde se integra o Centro de Saúde das Caldas da Rainha, “todos os cidadãos estrangeiros com autorização de residência têm número de utente atribuído”, mas não esclareceu como está a ser gerido o processo em relação aos abrangidos pelo despacho do Governo.

De acordo com a ARSLVT, “qualquer cidadão que se dirija a uma unidade de saúde com uma situação de doença aguda ou presentemente com uma suspeita covid-19 (confere o princípio de perigo de saúde pública) é inscrito como esporádico e está isento do pagamento tanto da taxa moderadora como da realização do teste”.

Mas para os imigrantes, “isso não resolve a situação porque limita o acesso a alguns serviços de saúde”, entre os quais “a compartição de medicamentos”, disse à Lusa Pablo Silva, da comunidade brasileira, mas residente em Mafra.

Trabalhador da construção civil e pai de uma criança de sete anos com espinha bífida e confinada a uma cadeira de rodas, Pablo confirma que a filha “ficou com febre e fez o teste”, que resultou negativo. Mas, reforçou, “por não ter número de utente não tem comparticipação nos medicamentos”.

“Não conseguimos que lhe seja atribuído o grau de deficiência e, por via disso, não temos apoio para fraldas e outras necessidades diárias da menina”, afirmou, indicando que já teve de "pagar consultas dela no Hospital de Santa Maria”.

A Lusa questionou a ARSLVT sobre a situação no Aces Oeste Sul, onde se integra o Centro de Saúde de Mafra, mas ainda não obteve esclarecimentos.



AO MINUTO

11:13
09:34
08:55

EUA registam 906 mortos e quase 90 mil casos nas últimas 24 horas

Os Estados Unidos registaram 906 mortos por covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Com este balanço, o país atingiu os 224.751 óbitos, com mais de 8,5 milhões de casos confirmados desde o início da pandemia, depois de terem sido identificados 88.973 contágios nas últimas 24 horas.

Nova Iorque é o estado com maior número de mortos (33.418). Só na cidade de Nova Iorque morreram 23.963 pessoas.

O Instituto de Métricas e Avaliações de Saúde da Universidade de Washington estimou que até ao final do ano os Estados Unidos terão ultrapassado as 315 mil mortes, com o número a subir para as 385 mil a 01 de fevereiro de 2021.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infeção confirmados.

08:51
08:51

Colômbia ultrapassa o milhão de casos

 A Colômbia ultrapassou neste sábado o milhão de infetados com o novo coronavírus, tornando-se no segundo país da América Latina a chegar a esse número em menos de uma semana.

A nação de 50 milhões de habitantes atingiu o pico em agosto e diminuiu desde então, mas ainda continua a registar cerca de oito mil infeções diárias.

A Argentina atingiu o milhão de casos confirmados na segunda-feira e o Peru e o México devem atingir esse marco nas próximas semanas. O Brasil ocupa o terceiro lugar mundial em número de casos e passou o milhão de contágios em junho.

A Colômbia tornou-se no oitavo país a atingir o milhão de casos confirmados de coronavírus. Além da Argentina e do Brasil, os outros países são Estados Unidos, Índia, Rússia, França e Espanha, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

No geral, a América Latina continua a registar alguns dos maiores números de casos, diagnosticando mais de 100 mil contágios diários, embora a Organização Mundial da Saúde indique que a Europa está a ser vítima de uma segunda vaga.

08:44

Mais de 500 mortos e de 50 mil infetados em 24 horas na Índia

A Índia registou 578 mortos e 50.129 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, informaram hoje as autoridades.

Os casos diários de coronavírus voltaram a cair, mantendo uma tendência verificada nas últimas semanas, com o país a contabilizar mais de 7,9 milhões de contágios desde o início da pandemia e 11.534 óbitos.

O país tem menos de 700 mil casos ativos e quase 7,1 milhões de pacientes foram dados como recuperados.

A Índia é o segundo país, depois dos Estados Unidos, onde a pandemia teve mais impacto. No mês passado, a Índia atingiu um pico de quase 100 mil casos num único dia, mas desde então os casos diários caíram para cerca de metade e as mortes para cerca de um terço.

08:25

Cimeira Mundial da Saúde começa hoje, marcada pela pandemia

A primeira Cimeira Mundial da Saúde totalmente virtual começa hoje, num ano marcado pela pandemia da covid-19, que dominará a discussão dos políticos, académicos e representantes de organizações internacionais e farmacêuticas convidados.

A sessão de abertura, que se realiza hoje à tarde, terá intervenções do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, do diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Ghebreyesus, e de representantes das farmacêuticas Sanofi e Pfizer, entre outros.

Até terça-feira, estarão em contacto 300 representantes de cerca de uma centena de países em 50 sessões de discussão.

Portugal estará representado pela ministra da Saúde, Marta Temido, e pelo deputado social-democrata Ricardo Batista Leite, que é também coordenador de Saúde Pública no Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa.

23:54

Brasil regista 432 mortes e 26.979 infetados nas últimas 24 horas

O Brasil contabilizou 432 mortes e 26.979 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou hoje o executivo, acrescentando que investiga ainda a eventual relação de 2.297 óbitos com a doença.

No total, o país sul-americano concentra 156.903 vítimas mortais e 5.380.635 casos confirmados desde o início da pandemia, registada oficialmente no Brasil em 26 de fevereiro.

No Brasil, país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, mais de 4,8 milhões de pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus já recuperaram, enquanto 405.834 infetados estão sob acompanhamento médico.

O foco da pandemia no país continua a ser São Paulo, o estado mais rico e populoso do país, com 1.089.255 casos de infeção, sendo seguido pela Bahia (344.014), Minas Gerais (347.006) e Rio de Janeiro (298.823).

As unidades federativas com mais mortes são São Paulo (38.726), Rio de Janeiro (20.171), Ceará (9.246) e Minas Gerais (8.732).

O diretor do Instituto Butantan, parceiro brasileiro do laboratório chinês Sinovac na produção da vacina Coronavac, afirmou hoje ao portal UOL que "cada dia que passa os prazos vão ficando mais curtos", ao referir-se à inclusão daquele imunizante no Plano Nacional de Imunização do Governo brasileiro.

"Cada dia que passa os prazos vão ficando mais curtos. Vai chegando a disponibilidade da vacina, vai haver vacina e é preciso ter uma decisão de nível nacional. Espero que estas questões se resolvam rapidamente. O ambiente, neste momento, embora possa estar de uma certa forma conturbado....espero que rapidamente ocorra a melhor solução para todos", disse Dimas Covas sobre a polémica em torna da Coronavac.

O imunizante encontra-se atualmente na terceira fase de testes, sendo que a Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pela vacina, ainda não obteve o registo para aplicação do produto por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador e de controlo sanitário brasileiro.

A Coronavac tem sido alvo de uma forte disputa política no Brasil.

21:44
21:15
VÍDEO

Hospital de São João mantém a segurança apesar de ser um dos que tem mais pressão

Há um esforço que muitos hospitais estão a fazer para manter a atividade normal ao mesmo tempo em que estão sujeitos a uma forte pressão por causa da situação panémica e do aumento dos internados com o covid-19. É o caso do Hospital de São João, no Porto

Ontem às 21:15
20:57

Hospital de Évora deu alta a duas idosas do surto de Vila Viçosa

Duas idosas associadas ao surto de covid-19 em Vila Viçosa que estavam internadas no hospital em Évora tiveram hoje alta e permanecem na unidade quatro infetados com novo coronavírus oriundos deste concelho, revelou fonte hospitalar.

Ligadas a este surto de covid-19, na sexta-feira, estavam internadas no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), todas em enfermaria ‘covid’, seis pessoas, das quais quatro mulheres e dois homens, com idades entre os 86 e os 90 anos.

A fonte do HESE contactada hoje pela agência Lusa disse que duas dessas mulheres receberam hoje alta hospitalar, continuando internados, em enfermaria, “dois homens e duas mulheres do surto de Vila Viçosa”.

O HESE tem, neste momento, “16 doentes internados com covid-19”, dos quais “quatro em Unidade de Cuidados Intensivos e 12 em enfermaria”, sendo que nestes últimos estão incluídos os de Vila Viçosa e, além disso, uma mulher associada “ao surto de Borba”.

Contactada hoje pela Lusa, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo indicou que, tal como na sexta-feira, continuam 69 pessoas infetadas com o vírus que provoca a doença covid-19 referentes a este surto.

Neste total estão incluídos 29 utentes de unidades da Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa, nove funcionários da instituição e 31 pessoas da comunidade, segundo a ARS.

A Câmara de Vila Viçosa indicou hoje a existência de 78 casos ativos de covid-19 no concelho, sem precisar quais são referentes ao surto, na atualização da situação epidemiológica publicada na sua página na rede social Facebook, com dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Na sexta-feira, registou-se a primeira vítima mortal deste surto de covid-19, uma mulher, de 86 anos, que estava internada no HESE, revelou à Lusa, nesse dia, fonte hospitalar.

O vice-presidente da Câmara de Vila Viçosa, Luís Nascimento, disse à Lusa, também na sexta-feira, que os mil testes rápidos de rastreio à covid-19 adquiridos pelo município vão servir para testar gratuitamente os trabalhadores da autarquia e a população do concelho, a partir de terça-feira.

O autarca indicou ainda que foram transferidos para o hospital de retaguarda instalado no antigo Centro de Saúde da vila dois utentes do lar da Santa Casa da Misericórdia infetados com SARS-CoV-2.

20:55
VÍDEO

Costa: covid-19 "não é uma corrida de curto prazo, é uma maratona"

António Costa considerou "prematuro" declarar o estado de emergência, no âmbito da pandemia de covid-19. Questionado pelos jornalistas, este sábado, o primeiro-ministro referiu que o estado de calamidade permite medidas diferenciadas no território português, admitindo que as medidas justificam-se nos concelhos a norte do país.

Ontem às 20:56
20:41

Sobe para sete número de idosos da Misericórdia de Grândola infetados

O número de utentes do lar da Misericórdia de Grândola (Setúbal) infetados com o vírus que provoca a covid-19 subiu de seis para sete, com este surto a registar um total de 18 casos, foi hoje revelado.

Fonte da Autoridade de Saúde Pública local contactada pela agência Lusa explicou que, dos 109 testes de rastreio à covid-19 efetuados, na sexta-feira, a utentes do lar da Santa Casa da Misericórdia de Grândola, foi comunicado “um resultado positivo”, tendo os restantes sido negativos.

“O utente que teve resultado positivo é um senhor, que fica agora isolado dos restantes” idosos, na própria instituição, adiantou a mesma fonte.

O surto de covid-19 associado a esta estrutura residencial para pessoas idosas (ERPI) contabiliza, assim, um total de 18 pessoas infetadas com o coronavírus SARS-CoV-2, das quais 12 do lar – sete utentes, todos homens, e cinco funcionários – e seis na comunidade.

Um dos utentes infetados, um idoso com “mais de 80 anos”, está internado no Hospital do Litoral Alentejano, no concelho de Santiago do Cacém (Setúbal), desde o “fim da tarde de sexta-feira”, revelaram hoje à Lusa fontes da Autoridade de Saúde Pública local.

O homem, internado em enfermaria ‘covid’ naquela unidade hospitalar, pertencente à Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), encontra-se “estável” e, “para já”, a sua situação clínica “não inspira cuidados”, afirmaram as fontes.

Os primeiros casos de infeção no lar foram detetados há precisamente uma semana, após testes de despiste da covid-19, realizados aos 105 funcionários da instituição, tendo cinco tido resultados positivos, quatro deles trabalhadores da cozinha e um que desempenha outras funções.

20:37
VÍDEO

Covid-19 na Alemanha: "Aqui respeitam sempre as medidas implementadas"

A portuguesa Margarida Barroso está a fazer um doutoramento na Alemanha, e contou à TVI24 como vive a atual situação de covid-19, num país que registou um recorde diário de casos.

Ontem às 20:38
20:30

Reino Unido regista 23.012 novos casos e 174 mortos nas últimas 24 horas

O Reino Unido registou 23.012 novos casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas e 174 mortes atribuídas à covid-19, menos 50 do que na véspera, anunciou hoje o Ministério da Saúde britânico.

Na sexta-feira, tinham sido registados 20.530 novos casos de contágios pela covid-19 e 224 mortes.

O total acumulado desde o início da pandemia no Reino unido é agora de 854.010 casos de infeção confirmados e 44.745 óbitos registados num período de 28 dias após as vítimas terem recebido um teste positivo.

20:30

Angola regista 197 novas infeções e dois óbitos nas últimas 24 horas

Angola registou hoje 197 novos casos positivos de covid-19 e dois óbitos, somando 9.026 infeções e 267 mortes, anunciaram as autoridades sanitárias do país, que alertaram para o risco de saturação dos hospitais.

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, começou a sessão de apresentação dos dados epidemiológicos sublinhando que o número de doentes graves e críticos tem estado a aumentar de forma considerável.

Segundo Franco Mfinda, 86,9% dos casos estão registados em Luanda, onde as medidas devem ser reforçadas, cujo resultado dependerá em muito da consciência de cada um.

"Estamos com a circulação comunitária na província de Luanda, com o aumento de casos podemos chegar até ao colapso do sistema de saúde", disse o secretário de Estado para a Saúde Pública.

Franco Mufinda lembrou que a covid-19 "não escolhe idade, estrato social, menos ainda partido político ou até religião", que ninguém uma vez infetado poderá saber que tipo de doente será: "doente com sintomas leves ou um doente crítico?".

O governante angolano frisou que se está perante um aumento galopante de doentes graves e críticos.

"Pensamos que não haverá espaço que chegue para poder internar todos e poderemos até chegar à situação a que muitos países já chegaram, a saturação", referiu.

Nas últimas 24 horas, do total de casos positivos, 160 foram registados em Luanda, 26 em Malanje, três no Cuando Cubango e igual número no Uíje, sendo 125 do sexo masculino e 72 do sexo feminino, com idades entre 1 e 100 anos.

Relativamente aos óbitos, as duas mortes, um homem e uma mulher, de 66 e 68 anos, foram registadas na província de Luanda, capital de Angola, tendo sido recuperados 77 doentes.

Com os dados de hoje, o país contabiliza desde março, quando se iniciou o impacto da pandemia no país, 9.026 casos positivos, 267 óbitos, 3.461 recuperados e 5.298 ativos, dos quais nove estão em estado crítico, 21 graves, 122 moderados, 397 leves e 4.749 assintomáticos.

Os centros de tratamento estão a seguir nesta altura 549 doentes e os laboratórios processaram nas últimas 24 horas 1.418 amostras, das quais 197 foram positivas, apontando o cumulativo para 142.085 amostras processadas até à data, das quais 9.026 positivas.

20:26
19:36
18:55

Chile ultrapassa meio milhão de contágios em véspera de referendo

O Chile ultrapassou hoje a barreira de meio milhão de contágios por covid-19, em véspera de um referendo histórico sobre uma mudança na Constituição, para o qual será aplicado um rígido protocolo de saúde.

"Teremos que mostrar muita responsabilidade por este referendo", disse a subsecretária de Saúde, Paula Daza, numa conferência de imprensa sobre o balanço de chilenos infetados pelo novo coronavírus.

De acordo com as autoridades de saúde, 1.631 novos casos e 48 mortes adicionais foram registados nas últimas 24 horas, elevando o número total de contágios para 500.542 casos, incluindo 13.892 mortes neste país de 18 milhões de habitantes.

Nos últimos meses, a curva de contágio estabilizou, com surtos pontuais, atualmente no Sul e extremo sul do país.

No domingo, 14 milhões de chilenos são chamados às urnas para dizer sim ou não a uma mudança na Constituição, em substituição à atual herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) e acusada nos últimos meses por manifestantes que pedem reformas para mais justiça social.

Um protocolo de saúde rígido foi posto em prática para a votação: as assembleias de voto permanecerão abertas por mais tempo, das 08:00 (12:00 de Lisboa) às 20:00, e os eleitores com mais de 60 anos terão prioridade em determinados horários.

Os centros de votação foram submetidos a cuidadosa desinfeção e o distanciamento físico e a máscara serão obrigatórios.

Os eleitores também são convidados a levar a sua própria caneta, com a qual marcarão a quadrícula correspondente à sua escolha para responder a duas perguntas: "Quer uma nova Constituição?" e "Que órgão deve elaborar a nova Constituição?".

Poderão escolher entre uma "convenção mista constitucional" composta por cidadãos eleitos e parlamentares, e uma "convenção constituinte" composta inteiramente por cidadãos.

18:32
VÍDEO

Penafiel com hospital de campanha para separar doentes com covid-19

O INEM está preparar um hospital de campanha no heliporto do Hospital Padre Américo, em Penafiel. O objetivo é conseguir fazer a separação de pacientes com sintomas típicos da doença.

Ontem às 18:26
Loading

N�o existem mais eventos...