Autárquicas

Eleições são no dia 26 de setembro
07 Setembro 2021

AO MINUTO

17:44

Volt diz ser de “mau tom” que PRR seja utilizado para propaganda eleitoral

O presidente do Volt Portugal, Tiago de Matos Gomes, disse hoje ser de “mau tom” que Governo e candidatos socialistas usem o Plano de Recuperação e Resiliência (PPR) para fazer “propaganda” eleitoral e apelou ao bom senso.

“Achamos que é de muito mau tom haver algum governo, neste caso o Governo português e os candidatos do partido do Governo, utilizarem o PRR para fazerem campanha e de algum modo dar a entender às populações que elegendo candidatos do partido do Governo terão mais vantagens para poder aplicar o PRR”, afirmou.

17:42

Candidata do BE a Matosinhos focada em aumentar oferta de habitação

A candidata do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara Municipal de Matosinhos Carla Silva está focada em aumentar substancialmente a oferta de habitação pública a custos controlados contendo, assim, a especulação.

A bloquista, que dedicou a manhã a uma ação no rio Leça, referiu à Lusa querer controlar a especulação existente nos custos da habitação para, desta forma, permitir à classe média a compra de casa a preços comportáveis.

17:39
17:23

Voto em José Manuel Silva é “única alternativa” para o futuro de Coimbra, afirma líder do CDS

O líder do CDS-PP afirmou hoje que o voto no candidato à Câmara de Coimbra apoiado pelo partido, José Manuel Silva, é “a única alternativa” que permite dar à cidade um futuro “à altura” da sua história.

“Esta é uma candidatura que não é nem do passivo nem do passado, é uma candidatura que olha em frente e é a única alternativa possível para quem quer um futuro à altura da história desta grande cidade que é Coimbra”, afirmou, em declarações aos jornalistas.

17:15

Candidata do CDS-PP a Bragança diz que se muda para a cidade se for eleita vereadora

 A cabeça de lista do CDS-PP à Câmara de Bragança, Paula Vieira, assumiu hoje o compromisso de mudar do Porto para Bragança, bastando para a decisão ser eleita vereadora no executivo municipal liderado há 24 anos pelo PSD.

A candidata é empresária e vive na zona do Porto, e tem ligações familiares a Bragança que a levaram a aceitar ser cabeça de lista do CDS e a pensar em viver nesta região, onde, garantiu à Lusa, “já passa muito tempo”.

“É um compromisso público que estou neste momento a assumir. Já o demonstrei à minha família, aos funcionários. Hoje em dia, nós com a tecnologia estamos longe, mas estamos perto, portanto, não será de todo problemático isso acontecer”, afirmou à Lusa.

17:13

Candidato do PAN defende criação de banco de leite materno em Matosinhos

O candidato do PAN à Câmara Municipal de Matosinhos Nuno Pires defende a criação de um banco de leite materno no concelho, em cooperação com o hospital local, considerando tratar-se de uma “mais-valia” para muitas famílias.

O leite materno tem “imensas” vantagens para o bebé, sendo especialmente importante para bebés prematuros ou doentes, afirmou aos jornalistas, depois de uma manhã dedicada aos mercados biológicos e associações de recolha de animais.

Acompanhado pela porta-voz do PAN, Inês de Sousa Real, Nuno Pires salientou que dar a estes bebés leite materno aumenta as suas hipóteses de sobrevivência, evita infeções e permite um melhor desenvolvimento.

16:58

Candidato do CDS-PP quer incentivar o comércio tradicional na Figueira da Foz

O cabeça de lista do CDS-PP à Câmara da Figueira da Foz propôs-se hoje a ajudar de forma gratuita o comércio tradicional a modernizar-se e a acabar com o estacionamento pago, debatendo “ideias” que evitem uma campanha de folclore.

De visita ao Mercado Municipal da Figueira da Foz, Miguel Mattos Chaves foi pedindo a pouco mais de uma dúzia de elementos da caravana para “falarem com as pessoas e não distribuírem apenas folhetos e canetas”, e ouviu os comerciantes.

“Se não trouxermos o debate das ideias, a campanha é só folclore, pão e circo”, afirmou à agência Lusa o candidato.

16:57

Ilda Figueiredo (CDU) quer reativação do ramal da Alfândega do Porto resolvida

A candidata da CDU à Câmara do Porto Ilda Figueiredo apelou hoje à rápida reativação do ramal da Alfândega do Porto, criticando a “lentidão” do presidente do município na resolução de uma solução “parada há dezenas de anos”.

O dia 21 de abril marcou o início do debate lançado pela autarquia para ser encontrada uma solução para o ramal da Alfândega, ligando Campanhã à Alfândega do Porto.

Nessa data, a autarquia apresentou duas sugestões: uma para transporte rápido elétrico e outra para a reconversão em modos suaves e criação de um parque urbano.

16:56

Livre quer Porto na vanguarda do combate às alterações climáticas

O candidato do Livre à Câmara do Porto Diamantino Raposinho defendeu hoje que a cidade deve estar na vanguarda no combate às alterações climáticas e a criação de uma assembleia de cidadãos para definir um plano de transição ecológica.

“O Porto, infelizmente, tem estado para trás de uma boa parte das cidades do país e achamos que deve estar na vanguarda na questão das alterações climáticas, porque é a segunda maior cidade do país e tem um trânsito como níveis de poluição muito elevados”, referiu.

Diamantino Raposinho falava à margem da apresentação do programa do Livre à Câmara do Porto, que decorreu no Coreto da Cordoaria e contou com a presença do fundador do partido, Rui Tavares, e com momentos musicais.

16:37
16:22

PAN propõe plano municipal para a igualdade em Coimbra

O cabeça de lista do PAN à Câmara de Coimbra, Filipe Reis, propõe um programa municipal para a igualdade, nomeadamente com medidas para ajudar vítimas de violência doméstica.

“Houve um fenómeno que se verificou, que foi o aumento de casos percecionados de violência doméstica, apesar de haver menos queixas, e que resultou desde logo da questão do confinamento”, começou por dizer o candidato à agência Lusa.

Segundo o candidato, houve “mais tempo com o agressor, menos tempo para pedir ajuda”.

Filipe Reis refere que, para além do próprio problema da violência doméstica, há sempre vários problemas, sejam eles relacionados com a habitação, com animais ou outros fatores.

“Muitas vezes a vítima de violência doméstica tem vários problemas além dela própria, que são as crianças, os animais, portanto, primeiro queremos que haja prioridade dessas pessoas para o alojamento, que sejam aceites animais de companhia”, referiu.

Para além desta medida, o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) quer que seja feita a “identificação da violência sobre os animais de companhia como indicador de possível violência doméstica”, sublinhou.

O cabeça de lista do PAN, Filipe Reis, explicou ainda que está previsto no seu programa a sinergia entre a Câmara Municipal e as associações, de modo “aproveitar o conhecimento e o trabalho feito”, como uma mais-valia para a cidade.

O PAN defende um conjunto de medidas que incluem a sensibilização da sociedade, quer ao nível das escolas, a começar no pré-escolar, quer ao nível da educação para os afetos, no qual estão incluídas as questões para a igualdade de género, distinção da criança de uma relação afetiva como forma de prevenção do abuso.

O candidato propõe a criação de um Plano Municipal para a Igualdade, acompanhado pela criação de um Conselho Municipal para a Igualdade.

15:44
VÍDEO

Chega acusa PS de propaganda com a bazuca europeia

O Chega vai pedir a intervenção da Comissão Nacional de Eleições, devido à campanha de António Costa e do tema bazuca europeia. 

Há 3h e 0min
15:44
VÍDEO

Rui Rio critica falta de ética: "Costa utiliza o cargo de ministro para captar votos"

Em campanha por Viana de Castelo, Rui Rio criticou o facto de António Costa estar a fazer campanha pelo partido socialista na qualidade de primeiro-ministro.

Há 3h e 4min
15:42
VÍDEO

Líder do CDS reage a ataque contra candidata: "Portugal não pode regressar ao PREC"

O líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, reagiu, este sábado, ao incidente que envolveu a candidata do partido à junta de freguesia de Palmela, que foi vítima de um ataque a tiro. 

Há 2h e 5min
14:45

António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a transferência de competências”.

O Estado não passa responsabilidades na educação, na saúde ou não ação social, sem transferir também para os municípios os recursos financeiros necessários para que possam exercer essas competências”, afirmou o líder socialista num comício da candidatura do PS naquele município liderado pelo empresário e engenheiro civil Manuel Machado, que se candidata pela terceira vez.

Discursando para algumas centenas de apoiantes na praça em frente aos Paços do Concelho, António Costa acrescentou que a transferência de competências e recursos financeiros acontece porque “quem está próximo das pessoas, quem está próximo dos problemas, quem conhece o território, está em melhores condições de fazer mais e melhor pelas suas populações, do que quem está longe, lá em Lisboa”.

O secretário-geral do PS reforçou que “o pacote de descentralização de competências vai permitir aos municípios tratar diretamente, como já fazem hoje no pré-escolar ou no primeiro ciclo, das outras áreas da educação, mas também das áreas da saúde e da ação social”.

A partir de abril, é mesmo o município que vai poder passar a gerir o centro de saúde e a criar condições de dignidade para toda a população de Celorico de Basto”, disse, respondendo a um apelo que o candidato fizera antes no sentido de ser alargado o período de funcionamento daquele equipamento de saúde.

Costa acrescentou que o próximo mandato também vai ser “muito especial”, porque “os municípios vão ser parceiros fundamentais na execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)”, destacando os recursos que serão canalizados para o setor florestal, importante para a economia da região de Basto.

“Esta é uma região de transição, na fronteira entre o Minho e Trás-os-Montes. É uma região do vinho verde, mas é também uma região da floresta. O PRR tem um fortíssimo investimento previsto, precisamente na floresta, porque, de uma vez por todas, a floresta tem de deixar de ser uma ameaça para a segurança das populações e, pelo contrário, tem de ser uma fonte de riqueza para os territórios, uma oportunidade de valorizar os produtos endógenos deste território, para que tenha mais valor”, sinalizou, aplaudido pelos presentes.

14:23

Jerónimo foi ao Vale da Amoreira mostrar que por causa da cultura já não é "anátema" de instabilidade

O secretário-geral do PCP visitou hoje o Centro de Experimentação Artística do Vale da Amoreira, concelho de Moita, para demonstrar que o investimento na cultura salvou a freguesia de estar condenada a ser um “anátema” de instabilidade.

Jerónimo de Sousa fez uma visita de pouco mais de uma hora a este equipamento cultural, desenvolvido para os que querem criar e, sobretudo, experimentar arte.

De acordo com Sofia Figueiredo, responsável pela programação deste centro, aqui há artistas de todas as idades, mas a juventude é a principal fatia do bolo. Durante a visita até houve tempo para um ‘fist bump’ de Jerónimo a todos os elementos de um grupo de dança que preparava um espetáculo para o próximo sábado.

Estão todos convidados”, disse uma das artistas ao secretário-geral, que sorriu perante o convite, mas não confirmou a presença.

Para o dirigente comunista, este equipamento artístico é o exemplo de como a cultura é essencial e consegue até alterar preconceitos: “Que bom que é que o Vale da Amoreira seja hoje reconhecido por boas razões e não como um anátema permanente de criar a ideia de destabilização e de insegurança social”.

Esta não foi “uma iniciativa para criticar” o Governo, explicou Jerónimo de Sousa, mas para um “relevar um caminho, uma experiência, que deveria ser encetado em bairros como este”.

O autarca da Moita e recandidato ao cargo pela CDU, Rui Garcia, explicou que este equipamento é “aberto ao público” e considerou que dá um “contributo fundamental para a integração social, para a capacitação, para a própria emancipação de muitos dos jovens que aqui iniciam os seus projetos” e que até já têm carreiras artísticas.

Contudo, mais não é feito porque o acesso a fundos comunitários é bloqueado por decisões governamentais de outrora.

Rui Garcia sustentou que como a Moita está integrada “no programa operacional de Lisboa e Lisboa estatisticamente ser uma região rica da Europa o acesso a fundos comunitários está limitado, quer em montantes, quer em taxas de cofinanciamento”.

A realidade, prosseguiu, “não é aquilo que a estatística mostra”, já que boa parte dos territórios da Área Metropolitana de Lisboa, nomeadamente os concelhos da Península de Setúbal, “são territórios que têm níveis de desenvolvimento, naquilo que diz respeito ao critério de atribuição dos fundos europeus que PIB per capita têm níveis idênticos a outras regiões do país”, como a Área Metropolitana do Porto, mas tem “acesso a fundos em percentagem muito inferior a esses territórios”.

14:21

Rio alerta que aumento da energia e “abusos” nos apoios sociais podem prejudicar economia

O presidente do PSD admitiu hoje que o aumento do preço da energia pode “desacelerar” a retoma económica, mas alertou sobretudo para queixas que tem ouvido de empresários sobre “abusos” nos apoios sociais que dificultam a contratação de trabalhadores.

Em declarações aos jornalistas em Caminha (Viana do Castelo), Rui Rio foi questionado sobre o anúncio feito na quarta-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) de que o preço da eletricidade vai voltar a aumentar, a partir de 01 de outubro, em 1,05 euros por mês para a maioria dos clientes doméstico do mercado regulado.

A questão da energia é uma questão séria em que a retoma da economia, não vou dizer que fica travada, mas fica desacelerada seguramente pelo custo de produção”, afirmou.

No entanto, o líder do PSD quis hoje alertar para outro problema que diz afetar muitos pequenos empresários e comerciantes com quem contactou nesta campanha autárquica.

O que ouço há bastante tempo é as pessoas dizerem que precisam de empregados e não têm, e não tem porquê? Porque não há? Não, porque as pessoas estão com o rendimento mínimo ou subsídio de desemprego e deixam-se estar e não querem trabalhar”, afirmou.

Rio disse ser “totalmente favorável” aos apoios sociais - que até poderiam ser aumentados se a riqueza do país permitisse -, mas com “fiscalização exigente e rigor”.

Os apoios sociais, seja o subsídio de desemprego ou o rendimento mínimo não são criados para levar as pessoas a não trabalhar, são criados para apoiar quem verdadeiramente precisa”, defendeu.

Questionado se este discurso não pode ser confundido com o de outros partidos, o líder do PSD até agradeceu a pergunta.

Eu pensei nisso antes de falar, lá vão dizer que este está como o Chega, contra o RSI (Rendimento Social de Inserção), e por isso é preciso dizer isto com rigor e cuidado”, afirmou.

Rui Rio reiterou que, como “social-democrata desde os 16 anos”, não é “obviamente” contra os apoios sociais, mas sim contra a sua distribuição “sem rigor e a fiscalização devida”.

Eu, se fosse primeiro-ministro, queria ajudar quem precisa, mas queria ser muito rigoroso e evitar que haja pessoas que se aproveitem dessa boa intenção do Estado. É preciso moralizar, não tem nada a ver com o Chega, está muito longe disso”, considerou.

14:20

Catarina Martins em Oeiras para levar para a Câmara “a única oposição” a Isaltino

De máscara onde podia ler-se “Evoluir Oeiras”, foi pelos olhos que muitos reconheceram Catarina Martins na primeira arruada da campanha autárquica, ouvindo queixas sobre transportes e habitação juntamente com a candidata independente da coligação que o BE integra.

Está na hora, está na hora, evoluir é agora” e “andar, pedalar, descarbonizar” foram as palavras de ordem que marcaram o ritmo do primeiro contacto com a população que a caravana bloquista de Catarina Martins teve nesta campanha oficial para as eleições autárquicas de 26 de setembro.

Aos jornalistas, já perto do mercado de Algés e depois de percorrido várias ruas, tempo para as declarações à imprensa de Catarina Martins para explicar o porquê de ter integrado a coligação “Evoluir Oeiras”, juntamente com o Livre e o Volt Portugal, e que apresenta como cabeça de lista a independente Carla Castelo.

Em Oeiras criou-se um movimento de cidadania que no último ano tem sido a única oposição que existe a Isaltino [Morais]. É aliás confrangedor a forma como os vários partidos que têm representação no executivo não têm feito oposição a Isaltino, que continua com uma política de betão, de opções que ninguém compreende, de gastar dinheiro em coisas que não servem a população”, afirmou.

De acordo com a líder do BE, “colocou-se a questão se teria ou não sentido uma coligação que suportasse que este movimento continuasse” para levar “esta oposição a Isaltino que tem sido movimento de cidadania para uma oposição com representação na Câmara de Oeiras”, no distrito de Lisboa.

O Bloco de Esquerda achou que esta era uma luta que deve ser travada”, afirmou.

12:51

PAN: Bebiana Cunha pedalou pela defesa de mais espaços verdes no Porto

A candidata do PAN à Câmara do Porto associou-se hoje a uma iniciativa cívica e andou pela cidade, de bicicleta, na defesa de mais espaços verdes de proximidade, e apelou também à execução do plano municipal de mobilidade sustentável.

Nós temos uma visão para a cidade que visa a construção, delineamento e planeamento de espaços verdes e os chamados ‘espaços 15 minutos’, vários espaços na cidade onde as pessoas, em 15 minutos, podem por meios suaves, bicicletas ou outros, chegar aos transportes públicos, bens e serviços ou espaços verdes de proximidade”, destacou Bebiana Cunha.

A líder parlamentar do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e deputada municipal do Porto falava aos jornalistas durante a iniciativa Cidades Verdes, Cidades Vivas, organizada nesta manhã de sábado pela MUBi Porto – Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta, para promover a mobilidade ativa e a defesa dos espaços verdes urbanos.

Para Bebiana Cunha, se as pessoas se deslocarem por meios suaves vão ter mais tendência a apoiar a economia local porque “não precisarão de sair daquela zona para aceder a bens e serviços”, apontando que a atual visão para a cidade é “claramente diferente”, com “um modelo que, no fundo, continua a considerar a construção de centros comerciais, que é um paradigma do passado”.

A candidata do PAN explicou também que não utiliza tantas vezes a bicicleta como meio de transporte como gostaria “pela falta de respostas na cidade”, sublinhando a necessidade de ser aplicado o plano municipal da mobilidade urbana sustentável.

Infelizmente, apesar da proposta do PAN ter entrado na Assembleia Municipal em 2018 e ter sido aprovada, ainda está por sair da gaveta com este executivo municipal. Precisamos de um executivo que o faça sair da gaveta”, frisou.

12:51

PSD/CDS tem 6 propostas para resolver "marasmo" da mobilidade no Funchal

O candidato à Câmara do Funchal da coligação PSD/CDS-PP criticou hoje o que considerou ser o “marasmo” na política de mobilidade da atual vereação municipal, apresentando seis propostas para resolver os problemas de entrada e saída da cidade.

É preciso apresentar soluções porque aquilo que estamos a assistir. Infelizmente, foram oito anos de marasmo em que não se apresentaram soluções”, declarou Pedro Calado, numa conferência de imprensa integrada na campanha eleitoral para as eleições autárquicas que se realizam a 26 de setembro.

A Câmara do Funchal é governada pela coligação Confiança (PS, BE, MPT, PDR e Nós, Cidadãos!), presidida por Miguel Silva Gouveia.

O cabeça de lista da coligação, que tem como lema “Funchal Sempre à Frente”, disse que “o trânsito, sobretudo as entradas e saídas do concelho do Funchal, estão cada vez mais problemáticas” e que se verifica “um grande problema de mobilidade no centro da cidade”.

O candidato considerou que devido ao “encerramento de algumas vias, e o facto de estarem a serem realizadas obras ao mesmo tempo, o trânsito está cada vez mais difícil” no Funchal.

Apresentamos seis propostas de mobilidade para serem concretizadas nos próximos dois anos”, realçou, explicando ser possível “realizar seis intervenções para resolver as entradas e saída de trânsito, quer no início e final do dia onde se deslocam milhares de madeirenses que visitam e trabalham no centro do Funchal, quer na zona este, quer na zona oeste”.

As propostas são seis nós, nas zonas da Boa Nova, da Pestana Júnior, Santa Luzia, Santo António, Pilar e do Esmeraldo, enunciou.

Loading

N�o existem mais eventos...