O mercado de combustíveis não deve crescer este ano. Segundo a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), as vendas de gasolina devem descer 5 por cento este ano, uma quebra que não compensará a subida estimada de 0,5 a 1% no gasóleo.

Em conclusão, e juntando o aumento dos preços do petróleo ao agravamento do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), a APETRO prevê «um deslocamento para Espanha, em volume, superior ao apresentado em 2006». De acordo com o estudo que a associação encomendou à Deloitte sobre as assimetrias fiscais no mercado ibérico dos combustíveis, estima-se que só no ano passado os abastecimentos em Espanha tenham prejudicado Portugal em 147 milhões de euros, valor referente a 136 milhões de litros.

«Vivemos um contexto internacional que é preocupante», disse em conferência de imprensa o presidente da APETRO, João Pedro Brito, sublinhando que «qualquer redução dos impostos seria bem-vinda». As previsões para os primeiros meses de 2008 não são positivas: «Não temos dados concretos, mas tudo aponta para um agravamento devido aos preços elevados do crude e à carga fiscal, que se mantém», disse em conferência de imprensa o secretário-geral da APETRO, José Horta.
Rui Pedro Vieira