Um morto, dois feridos graves e 74 detenções. Um balanço negro dos incidentes que ocorreram em várias cidades francesas após a classificação da seleção da Argélia para as meias finais do CAN, Campeonato Africano das Nações, ao eliminar a Costa do Marfim.

Um adepto argelino de 21 anos que participava nos festejos em Montpellier (sul de França) perdeu o controlo da viatura que conduzia tendo atropelado uma família com gravidade. Uma mulher morreu na sequência do atropelamento e as duas filhas que a acompanhavam ficaram gravemente feridas, em particular um bebé que, segundo fontes policiais, se «encontra entre a vida e a morte».

Em Paris, milhares de pessoas concentraram-se por volta da meia-noite junto ao Arco do Triunfo após o apito final.

Mas os festejos acabaram depois em atos de violência e vandalismo: vários grupos saquearam estabelecimentos comerciais e partiram montras nas avenidas centrais da capital francesa.

Durante as primeiras horas da madrugada as forças de intervenção da polícia francesa dispararam granadas de gás lacrimogéneo contra os grupos de pessoas que lançavam pedras.

O ministro francês do Interior, Christophe Castaner, numa mensagem difundida hoje através da rede social Twitter disse que os incidentes foram «inaceitáveis».

Os casos mais graves ocorreram em Paris, Marselha, Lyon e Montpellier imediatamente após a qualificação da Argélia, depois da partida contra a seleção da Costa do Marfim.