O líder do CDS/PP-Açores exigiu a demissão do secretário regional da Saúde, acusando-o de «mentir» e «omitir factos» aos açorianos, sobre a situação da Gripe A (H1N1) no Arquipélago.

Artur Lima lembrou que Miguel Correia terá «mentido» quanto ao número de casos positivos de infecção nos Açores, ao mesmo tempo que tentava «camuflar uma inoperante Direcção Regional da Saúde e uma moribunda Direcção de Serviços». «Até 18 de Outubro passado, registaram-se 2.396 casos de gripe A nos Açores, segundo dados da Direcção-Geral de Saúde, mas a Secretaria Regional só anunciava 942 casos», lembrou o deputado centrista.

Perante estas situações, o líder do CDS/PP entende que o Miguel Correia só tem uma atitude a tomar: abandonar o cargo, porque a sua manutenção à frente da pasta da Saúde constitui «um atentado à saúde pública nos Açores».

O secretário regional da Saúde garantiu, no entanto, que nunca mentiu aos açorianos sobre os números da gripe A (H1N1) nos Açores. Em resposta às acusações do CDS/PP, Miguel Correia disse que a interpretação do líder centristas faz «é que é errada e instrumentalizada».

No seu entender, Artur Lima partiu erradamente do princípio que a Direcção-Geral de Saúde, em Lisboa, «tem uma informação mais correcta» sobre o que se passa nos Açores do que a Direcção Regional da Saúde.

Miguel Correia sublinhou também que «quem tem os dados e os resultados» laboratoriais relativos aos casos de gripe A confirmados nos Açores é a Direcção Regional de Saúde, colocando, desta forma, em causa, os dados oficiais da Direcção Geral da Saúde.

«Se a Direcção-Geral de Saúde entende, por uma percentagem, que existe outro tipo de casos, isso é um problema da Direcção Geral da Saúde e não da Direcção Regional de Saúde nem meu» ressalvou o governante, que garantiu que, até 22 de Outubro, estavam confirmados em laboratório nos Açores 1.346 casos de gripe A.
Redação / SM