As vendas de viaturas novas na Europa baixaram 18,3 por cento em Fevereiro, em comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados esta sexta-feira pela Associação dos Construtores de Automóveis Europeus.

Em Portugal, o número de novas matrículas baixou 42,6% (9.954 unidades vendidas), quando em Janeiro tinha descido 43,1% (9.021 unidades vendidas).

A Alemanha, principal mercado europeu, destacou-se pela positiva com uma subida de 21,5% nas vendas, ajudada por um prémio à compra de viaturas novas muito convidativo (2.500 euros) e por uma alteração do imposto sobre veículos.

À excepção do Luxemburgo (0,3%) e da Polónia (7,3%), todos os outros países europeus acusaram os efeitos da crise económica, que travou a compra de carros novos.

A França registou em Fevereiro uma quebra moderada no número de novas matrículas (13,2%), mas a Espanha mergulhou 48,8%, a Itália 24,4% e o Reino Unido 21,9%.

Em Janeiro, as vendas de novas viaturas na Europa tinha caído 27%, com 958.517 unidades vendidas, no que foi o pior desempenho para esse mês em duas décadas.

Em Fevereiro foram matriculadas no total 968.159 viaturas novas.

Saab atinge quebra de 54%

Estas estatísticas provisórias referem-se a 28 países: 25 Estados membros da União Europeia, sem Chipre e Malta, mais a Islândia, Noruega e Suíça.

Por marcas, a nível europeu, os recuos atingiram 29,2% para a BMW (BMW, Mini) e 29,8% para a sua compatriota Daimler (Mercedes, Smart). Quanto ao número dois europeu, a francesa PSA Peugeot Citroën, a baixa foi de 25,3%.

As vendas do outro grande construtor francês, Renault (Renault, Dacia), caíram 23,1%. A norte-americana General Motors (Opel, Vauxhall, Saab, Chevrolet) registou um recuo de 21,9% nas suas vendas na Europa.

Entre estas marcas, a Saab registou uma quebra de novas matrículas de 54,1%. Também norte-americana Ford (Ford, Volvo), número três na Europa, registou uma quebra menor, de 12,7%.

A baixa chegou ainda aos 16,5% no grupo italiano Fiat, apesar das vendas da marca Alfa Romeo terem subido 23,3%.
Redação / CPS