Começo pela notícia que ainda não foi notícia na semana em análise. A greve dos alunos que são cidadãos, não contra o estado da educação mas por aquilo que apelidam de inércia dos adultos relativamente ao clima. Houve greve para alertar para o futuro. Esperemos que, sobre o tema, tenhamos boas notícias.

Sobre os destaques noticiosos da semana, o primeiro lugar não acontece por boas razões pois prende-se com a queda de um Boeing 737, operado pela Ethiopian Airlines, com 157 pessoas a bordo. É o segundo acidente com um avião do mesmo modelo desde que este chegou ao mercado, há 3 anos. O mundo inteiro, nos últimos dias, foi interditando estes aviões e Donald Trump acabou por ter de fazer o mesmo. A Boeing viu as suas ações desvalorizarem 6%, o que corresponde a mais de 30 mil milhões de euros em bolsa, e soube-se que a empresa já conhecia os problemas de segurança associados ao modelo. Há, ainda, várias companhias aéreas que podem vir a cancelar encomendas de novos aviões.

O tema da violência doméstica continua, tendo atingindo o segundo lugar nos destaques noticiosos desta semana provavelmente ainda no rescaldo do Dia da Mulher. Tudo foi já dito sobre esta matéria, tudo há ainda para dizer. E, sobretudo, fazer acontecer. Continuar a discutir esta tragédia cultural em pleno século XXI é sinal do tanto que a espécie humana tem ainda para evoluir.

O Futebol está mais uma vez no pódio. Consegue o terceiro lugar nas notícias da semana, em boa medida pela capacidade de recuperação do Benfica e pela superior capacidade de Ronaldo que, contra o Atlético de Madrid e a favor da sua Juventus fez novamente história, com um hat-trick fenomenal, e levou a auto-estima dos portugueses um nível mais acima. Por outro lado, um ex-jogador do Rio Ave acusa um empresário ligado ao Benfica de o aliciar para perder o jogo entre os dois clubes…

O Brexit parece uma saga do “NeverEnding story” pois tudo parece mais estranho à medida que o tempo passa. O Parlamento britânico rejeitou mais uma emenda, sobre o segundo referendo à saída do Reino Unido da União Europeia. E, já no final desta semana, o mesmo Parlamento aprovou uma moção em que pede o adiamento do Brexit. Confuso? Sim. Com próximos capítulo? Claro.

 

 

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho e a codificação das notícias é realizada por Carla Mendonça com o apoio de Leonor Cardoso. Apoios: IPPS-IUL, Jornalismo@ISCTE-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de aproximadamente 413 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Atualmente fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.