Silas, treinador do Belenenses, em declarações aos jornalistas após a derrota com o V. Setúbal no Bonfim por 3-0:

«Gostava de mandar abraço ao Vasco Fernandes e mandar condolências a sua família pela perda dele.

Sabíamos que ia ser difícil por causa do vento e não nos conseguimos adaptar na primeira parte. Isso condicionou o nosso jogo. Depois deixámo-nos condicionar por essa inércia. Perdemos imensas segundas bolas, falhámos muitos passes mesmo sem oposição.

O Vitória foi crescendo, fez o golo no final da primeira parte. Era algo que eu temia por causa do vento e que pudesse mexer com o psicológico dos jogadores. O Vitória acabou também por ser eficaz na segunda parte mas foi totalmente justa a vitória do Vitória.

Compete-nos ver onde errámos e seguramente que para a semana o jogo vai ser totalmente diferente.

Uma das grandes ilações que tiramos é que um dos grandes inimigos dos jogadores de futebol é o narcisismo. E demasiados elogios acabam por nos enfraquecer: alguns de nós não conseguem lidar bem com os elogios, mas vamos conseguir. Houve muitos lances perdidos por culpa nossa: alguns por culpa do Vitória, mas muitos por culpa nossa, por falta de concentração e de agressividade.

Claro que houve jogadores um pouco desligados do jogo. Ou estavam a jogar em posições novas. É normal no nosso crescimento: no deles como jogadores e no meu como treinador. Há erros posicionais que se transformam em erros de execução. Cometemos muitos erros, mas o Vitória também teve mérito por saber aproveitá-los.»

[Sobre os jogos sem ganhar e a classificação no campeonato]

«Vamos sair daqui, tenho a certeza. Naturalmente que o quadro não é favorável: perder 3-0 com o jogo que fizemos mas eu sei onde estão os erros. Mas há jogadores que têm de crescer: porque chegaram agora, outros porque vêm de lesões.»

David Marques / Estádio do Bonfim, Setúbal