O empresário Belmiro de Azevedo garante que não haverá despedimentos no Grupo Sonae, que fundou, desde que haja actividade económica e consumidores.

«Não haverá despedimentos na Sonae», afirmou à margem do encontro promovido pelo Fórum para a Competitividade, salvaguardando, no entanto, que «só pode haver emprego se houver actividade económica. Sem isso, não vale a pena inventar-se o direito ao emprego», avisou.

O empresário lembrou que a Sonae cria dois a três mil empregos por ano, postos de trabalho que «vão manter-se se os consumidores continuarem a comprar os produtos da Sonae. E nada indica que, no sector que mais gente ocupa, isso vá deixar de acontecer», afirmou, acrescentando que os consumidores «gostam» dos produtos do grupo.

O grupo encerrou algumas fábricas noutros países, como a Irlanda. O fundador do grupo sublinhou que isso aconteceu nos países onde a actividade económica caiu muito.
Paula Martins