O Benfica de Bruno Lage averbou no fim de semana passado a primeira derrota para o campeonato, na Luz diante do FC Porto.

Pela primeira vez desde que substituiu Rui Vitória no comando das águias, o técnico setubalense preparou a equipa na ressaca de uma derrota para o principal escalão do futebol nacional, mas não vê grandes diferenças para lá da perda dos três pontos.

«A diferença é apenas o resultado, porque a nossa forma de trabalhar não muda. Fazemos a análise daquilo que correu menos bem e do que correu bem. Analisamos o jogo da melhor maneira e preparamos a nossa semana de treinos para continuarmos a crescer. Em função do resultado, diferente, sim, mas tudo igual em função da nossa forma de trabalhar», começou por dizer.

Lage assumiu, no entanto, que a semana de trabalho marcou os jogadores, mas por questões extra-futebol. Mais importantes do que futebol, vincou: «Marcou-nos o falecimento da filha do nosso técnico de equipamentos Paulo Vaz e, no dia seguinte, do irmão do nosso chefe de segurança Paulo Magalhães. E depois toda a gente sentiu o falecimento da menina do Luis Enrique. Isso é que são coisas difíceis, que marcam. As outras coisas é olhar para aquilo que bom e de mau e rapidamente voltar ao nosso registo», concluiu.

David Marques / Centro de treinos do Benfica, Seixal