Mais do que uma vez, após a marcação de golos, os jogadores do Benfica correram para o banco para festejar com Nélson Veríssimo, treinador-adjunto de Bruno Lage, que foi promovido ao lugar de treinador principal com a saída de Lage.

Nesse sentido, o treinador que se vai sentar no banco na partida frente ao Boavista, foi questionado sobre se esse bom ambiente entre ele e os jogadores pesou na hora de ser escolhido para ficar ao leme da equipa.

«Havia bom ambiente com todos os elementos da equipa técnica. Sei que às vezes passou a imagem que não era assim, mas o bom ambiente era uma realidade. Os jogadores também festejaram golos com o Bruno [Lage], com o Alexandre [Silva], e também com outros elementos do banco de apoio», disse.

Responsável pelas bolas paradas, Veríssimo também foi confrontado com os golos sofridos nesses momentos, assumiu dificuldades, mas diz que não se pode olhar apenas para esses momentos.

«Sei que sofremos alguns golos de bola parada, mas não podemos direcionar só para as bolas paradas, há outros momentos do jogo que não estivemos tão bem e que temos potencial para melhorar. Temos vindo a trabalhar e a corrigir essas questões», realçou.

Veríssimo admitiu ainda sentir-se um dos responsáveis pelo mau momento da equipa, uma vez que fazia parte da equipa técnica.

«Evidentemente, também me sinto responsável. Tal como os outros elementos da equipa técnica e os jogadores. Não podemos colher só os louros quando as coisas correm bem, também temos de ser responsáveis quando as coisas estão menos bem», finalizou.

Adérito Esteves / Benfica Campus, Seixal