Suplente utilizado nos últimos três jogos do Benfica, Rafa está longe dos índices exibicionais da época passada, na qual foi um dos «atores» principais na caminhada que levou os encarnados à conquista do título de campeão nacional.

«Temos um plantel com 25 jogadores e todos têm qualidade para jogar nesta equipa. Mas depois as opções têm de ser feitas em função do momento, do momento coletivo enquanto equipa e do adversário que vamos defrontar. Nestes últimos dois jogos as coisas têm sido feitas em função disso, não querendo particularizar o caso do Rafa, porque existem outros jogadores que estão em condições de dar o contributo à equipa e nestes dois jogos ainda não tiveram oportunidade. Mas acredito que até ao fim isso possa acontecer», disse Nélson Veríssimo, sem responder em concreto a uma questão sobre as razões por detrás do momento de menor fulgor do internacional português.

Tal como Rafa, também o Benfica atravessa uma fase de inconstância exibicional que se arrasta desde o início de fevereiro, altura em que pela última vez esta temporada conseguiram vencer duas partidas consecutivas. O técnico interino das águias assumiu que esse assunto chegou a ser abordado, mas frisou que o foco agora é outro. «Na sua devida altura essas ilações terão de ser tiradas. Fiz parte da equipa técnica anterior e obviamente que discutimos isso entre nós, mas julgo não ser este o momento. Agora é olhar para o que nos falta em termos de campeonato: concluir estes três jogos com vitórias e depois olhar para a final da Taça», rematou.

David Marques / Benfica Campus, Seixal