Jorge Jesus, treinador do Benfica, em declarações na conferência de imprensa após a goleada sobre o Portimonense.

«Foi uma vitória importante depois de termos perdido em casa com o Gil (Vicente) após sete vitórias consecutivas e em que não estávamos à espera. Mas como temos uma equipa experiente e confiante, ela não tremeu e fez uma boa semana de trabalho e conseguimos colocar as nossas ideias em jogo, quer defensivamente como ofensivamente, frente a uma boa equipa, bem organizada, com três/quatro jogadores com muita velocidade à procura da profundidade. Soubemos controlar quase todos esses movimentos na 1ª parte, o Portimonense foi à nossa baliza aos 42 minutos e fez golo com uma boa movimentação do Beto.

O importante para a nossa recuperação foi não acabar a 1ª parte a perder. Fizemos o empate numa boa jogada e fomos para a 2ª parte e ao intervalo dissemos que era preciso outra movimentação que os nossos avançados não estavam a fazer e isso foi alcançado com a entrada do Darwin, porque é um jogador muito rápido e que procura a profundidade e o golo que marcou já fez muitos assim este ano. Está a recuperar da lesão, cada vez está com menos problemas.

Com a modificação que fizemos no bloco central a equipa ficou com mais jogadores com a bola descoberta para assistir os avançados e fomos fazendo golos atrás de golos em função das jogadas que tivemos e até tivemos mais uma ou duas mais fáceis de fazer golo e não conseguimos. Estamos de parabéns, não só por termos ganho por 5-1, mas também porque foi frente a uma equipa boa, que vinha de três vitórias consecutivas e está a fazer uma 2ª volta forte, tal como o Benfica.»

[Afirmou que acreditar no título é história da carochinha. Isso retira pressão à equipa e pode deixá-la mais tranquila?]

 «Está a ver bem mas não quero abrir o jogo todo. Tenho de ser consciente porque quantos menos jogos faltarem, menos possibilidades temos de recuperação. Não é que eu não sinta que o Benfica possa ganhar os jogos todos como estava a acontecer antes de perder com o Gil Vicente, foi uma derrota que não esperávamos, mas o futebol é assim.

Enquanto matematicamente for possível, acreditamos, mas não conto histórias da carochinha. O que temos de fazer e que depende de nós é vencer e esperar o que pode acontecer com o segundo e com o terceiro classificado. Para o primeiro, está muito mais difícil para o Benfica. Se temos ganho ao Gil Vicente, não falava da mesma maneira, esse jogo tirou-nos essa possibilidade de cada vez ficarmos mais próximos do primeiro e do segundo classificado.»

[sobre a exibição de Darwin]

 «A utilização do Darwin tem a ver com a recuperação da pequena lesão que tem incomodado nos últimos dois meses que lhe retirou condição física e confiança. Ele é forte na velocidade e se a perde é um jogador que passa a ser mais fácil de marcar. Neste momento já treina mais tempo connosco e está a voltar à sua condição física e estes bocadinhos está a dar-lhe confiança e se estiver bem fisicamente é um jogador que a minha ideia de jogo passa por ele, não tenho a mínima dúvida sobre isso.»

[sobre Pizzi]

 «Tem muito a ver com o sistema de jogo da equipa. Em que posição ele jogar, tem golo, sabe chegar lá e os momentos de finalizar. O Benfica do meio-campo para a frente tem muitas opções e quando eu quero mais velocidade na frente, se calhar o Pizzi já não entra nessa ideia, se quiser uma equipa com os avançados a jogarem mais por dentro, ele entra nessa ideia.»

Jorge Anjinho