A especulação sobre a iminente venda à mexicana América Móvil, de Carlos Slim, levou as acções da TIM a subirem quase 5%, num dia marcado pelas perdas na Bolsa de S. Paulo.

NO passado fim-de-semana, o jornal «O Globo» avançava que a Telecom Itália acordou vender a TIM Participações à América Móvil por cerca de oito mil milhões de euros. Entretanto, a Telecom Itália desmentiu a notícia e a subsidiária da América Móvil, a Claro, escusou-se a comentar.

No entanto, a Telecom Itália tinha já admitido recentemente ter recebido duas ofertas não solicitadas pela TIM Brasil. A empresa não especificou quem lançou as ofertas em causa, que estavam a ser estudadas.

Segundo a «Reuters», que cita fonte do mercado, a América Móvil era uma das oferentes, sendo que a espanhola Telefónica poderia ser a outra, dado que já é um forte jogador no mercado móvel do Brasil.

O presidente financeiro da Telefónica levantou dúvidas sobre uma possível compra da TIM Brasil, já que o preço da empresa supera o seu limite para aquisições.

Caso a América Móvil, de Carlos Slim, adquira a TIM, a Vivo pode perder a liderança do mercado de telefonia Wireless do Brasil. A unidade brasileira da América Móvil, a Claro, já controla cerca de 23% do mercado. A TIM Brasil possui 25% e a Vivo quase 30%, de acordo com números recentes do regulador de telecomunicações do Brasil, a Anatel.