Os camionistas estão a reacender o fantasma da greve de 2008, que deixou muitas gasolineiras do país sem gota de combustível.

A Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), criada depois da greve de 2008, está a convocar os transportadores para uma reunião no sábado, afirmando que «estão a reunir-se as mesma condições» que levaram ao bloqueio daquele ano, cita a Lusa.

A reunião destina-se precisamente a definir as formas de luta a adoptar. «Mais do que descontentamento, vejo agora transbordar o limite da preocupação. O contexto actual, mais do que não favorecer o sector dos transportes, penaliza-o sem dó nem piedade», escreve o presidente da ANTP, Silvino Lopes, na convocatória que está a chegar aos camionistas.

O presidente da ANTP refere que o preço do combustível «não para de aumentar», defendendo a aplicação de uma directiva comunitária que permite reduzir em sede de ISP oito cêntimos por litro. «As empresas estrangeiras entram por Portugal com os seus depósitos cheios de combustível mais barato e esmagam só por essa razão a competitividade das empresas nacionais», afirma.

«O Governo está a empurrar para outra vias que não o diálogo. Parece que pretende outro Junho 2008», conclui.

Também hoje a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), a outra associação do sector e que não participou na greve de 2008, pediu uma audiência ao primeiro ministro para expor os problemas do sector, contestar a introdução de portagens nas SCUT e propor a harmonização fiscal com Espanha.