O Governo anunciou ao princípio da madrugada de hoje, em comunicado, a saída de Cardoso e Cunha do cargo de presidente do Conselho de Administração da TAP, justificando a cessação de funções "no quadro do processo de reestruturação em curso na empresa".

Segundo a agência Lusa, o porta-voz do PS para as questões dos transportes, José Junqueiro, disse hoje que «Cardoso e Cunha foi sempre um excedente na TAP» e uma figura que «nunca foi parte da solução mas sempre fonte de problemas».

De acordo com o vice-presidente da bancada do PS, o Governo optou agora pela melhor decisão quando tinha entre mãos uma «crise insustentável na TAP», com a ameaça do administrador-delegado Fernando Pinto abandonar a empresa, depois do "trabalho de recuperação que fez na empresa" e que agradou a todos os profissionais da transportadora.
Redação / BP