A longa-metragem «48», da realizadora Susana de Sousa Dias, ganhou uma menção especial do júri no Festival Internacional Punto de Vista, em Navarra, Espanha, um certame que distingue documentários.

O júri da sétima edição do festival distinguiu o documentário de Susana de Sousa Dias «pelo seu uso evocativo e dialéctico das fotografias e das vozes dos prisioneiros políticos para sacudir o passado criminal e trágico» de Portugal, durante o Estado Novo, noticia a agência Lusa, de acordo com a informação veiculada pela produtora Kintop.

«48» estreia em Portugal no dia 31 deste mês e já foi exibido em Londres, Paris, Belgrado, Pamplona, Bratislava, Nice e Cairo.

Este é já a sexta distinção que o documentário recebe, de entre as quais se destacam o prémio FIPRESCI (no Dok Leipzig, na Alemanha) e o Grande Prémio do Cinema du Réel (em França, onde este ano estão mais dois filmes portugueses nomeados) e o prémio Opus Bonum para Melhor Documentário Mundial no Festival Internacional do Filme Documentário de Jihlava, na República Checa.

Em «48», Susana de Sousa Dias volta ao Estado Novo para falar de antigos prisioneiros da polícia do regime de Salazar, a PIDE revelando os testemunhos das pessoas entrevistas em sobreposição às fotografias a preto e branco que foram tiradas à época pela PIDE aos detidos e torturados.