O CineEco - XVII Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela apresentou-se esta quarta-feira como um acontecimento «reinventado» e com 73 filmes em que a sustentabilidade e o interesse cinematográfico se apresentam interligados.

O certame vai decorrer no próximo mês de Outubro, entre os dias 8 e 15, no município de Seia e foi o presidente da Câmara Municipal da cidade beirã a dar as boas vindas e amostrar a vontade que o CineEco este ano se «reivente». A intenção demonstrada por Carlos Filipe Camelo é a de «captivar novos público» juntando estes dois conceitos: «captar» e «cativar».

Foi neste sentido que, neste ano, o CineEco se associou à Zero em Comportamento para a sua co-produção. Rui Pereira, responsável dos organizadores de festivais como o IndieLisboa, explicou como esta nova dinâmica pretendida se vai traduzir numa «maior diversidade» da proveniência dos filmes através da introdução da legendagem electrónica.

O director executivo do CineEco contou também que foi preciso reduzir um festival numa programação habitualmente á volta dos 200 filmes numa semana para que agora possa ser «mais ágil no entendimento» do público, dos júris e da comunicação social. Os 73 filmes selecionados para esta 17ª edição estão divididos entre 43 longas e 30 curtas-metragens. «Procurámos filmes interessantes tematicamente e do ponto de vista cinematográfico», afirmou Rui Pereira.

Os filmes deste CineEco vão estar dispostos na secções Competição Internacional, Competição Lusófona, Guerrilha Verde (querendo «agitar consciências» quotidianas de uma forma «divertida e provocatória»), Panorama (com alguns dos «melhores filmes do ano», com uma sub-secção Infantil) havendo ainda uma série de Sessões Especiais.

O programa completo pode ser visto site do festival. A Competição Internacional vai estar representada por Portugal com «Angst», de Graça Castanheira. Além desta secção e da Competição Lusófona haverá ainda os prémios da Juventude, Educação Ambiental e do Público. Na seção Panorama, entre os filmes mais apreciados pelo público nacional neste ano vão, vão poder ver-se em Seia obras como «A Árvore da Vida» (vencedor em Cannes»), de Terrence Malick, ou «América», de João Nuno Pinto, ou «Carros 2» para os mais novos.

A abertura do festival vai ser assinalada com um concerto dos The Crow, no dia 8 às 21h45, e a meio do certame o público escolar e as famílias são convidados a assistir ao filme-concerto «Uma Floresta Animada» com os Space Ensemble. No dia 15, o CineEco encerra com a entrega dos prémios e com um concerto de Aurea.

Entre outras actividades que incluem exposições e workshops, haverá uma tertúlia-debate so o tema «Verdes são os territórios do interior» e o cilco «A lente e a mente», onde serão vistos filmes sob o olhar da psiquiatria, como «Paris Texas», de Wim Wenders.

O CineEco tem entrada gratuita para a maioria das sessões com excepção para os concertos dos The Crow e de Aurea e dos filmes da secção Panorama. O festival decorrerá na Casa Municipal da Cultura de Seia e no Cise - Centro de Interpretação da Serra da Estrela, entre 8 e 15 de Outubro. Além dos transportes públicos rodoviários e ferroviários, a organização promove no site a adaptação e a organização do «carpooling» para quem for de transporte particular: a utilização de um automóvel próprio por vários espectadores do festival.

A 17ª edição do CineEco foi apresentada esta quarta-feira no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, e começou com um aperitivo que poderá ser visto no festival na secção «Guerrilha Verde»: «Eco Ninja», de Jonathan Browning.