Numa altura em que «Die Hard: Nunca é Bom Dia para Morrer» já está em exibição nos cinemas portugueses, o Cinebox recorda os 25 anos de uma saga que começou em 1988 e que já conta com cinco filmes.

As diferenças entre o primeiro «Die Hard - Assalto ao Arranha-Céus» e o novo filme são fáceis de identificar, a começar pelo próprio Bruce Willis, um quarto de século mais novo e ainda com bastante cabelo numa cabeça hoje em dia completamente rapada.

Os maus da fita que o agente John McClaine teve de enfrentar ao longo dos anos também foram variando: primeiro foram terrorista alemães num arranha-céus; depois, em 1990, em «Assalto ao Aeroporto», um grupo de mercenários contratados por um ditador sul-americano. Cinco anos mais tarde, «Die Hard: A Vingança» recuperou um inimigo alemão, enquanto que em 2007 a personagem de Bruce Willis combate o ciberterrorismo.

No novo «Die Hard: Nunca é Bom Dia para Morrer» McClane viaja até à Rússia para ajudar o filho, mas os dois veem-se envolvidos numa conspiração terrorista.

São 25 anos e cinco filmes repletos de ação.