O filme «El Último Verano de le Boyita», da realizadora argentina Julia Solomonoff, foi eleito o melhor filme do Queer Lisboa 14 - 14º Festival de Cinema Gay e Lésbico de Lisboa. O filme foi premiado com mil euros.

A actriz Rita Blanco, o escritor José Luís Peixoto, a directora artística e programadora Michèle Philibert, o jornalista e crítico Thomas Abeltshauser e o jornalista e realizador Gorka Cornejo compuseram o júri da Secção Competitiva para Melhor Longa-Metragem.

«Através da história de amizade entre uma jovem curiosa e um hermafrodita, o filme oferece-nos um exemplo de empatia e solidariedade, combinando beleza e crueldade. Evitando julgamentos, clichés e superficialidade, frequentemente presentes em filmes convencionais com crianças», justificou o júri relativamente à eleição.

O filme «Open», do norte-americano Jake Yuzna mareceu uma menção honrosa pela «sua autêntica, ousada e comovente representação da vida e amor queer, desafiando os conceitos de género e identidade».

O prémio para Melhor Actor foi para o argentino Lucas Ferraro no filme «Plan B», do também argentino Marco Berger. O prémio para a Melhor Actriz foi atribuído a três performances femininas do filme «El Último Verano de la Boyita»: Guadalupe Alonso, Mirella Pascoal e Nicolas Treise.

O júri formado pela realizadora Veronika Minder, o jornalista de cinema Rui Pedro Tendinha e a jornalista Adília Godinho escolheu «Angrarna - Regretters» para o filme vencedor da Secção Competitiva para o Melhor Documentário, do sueco Marcus Lindeen.

«I Shot My Love», realizado pelo israelita Tomer Heymann mereceu uma menção especial. «Toiletzone», do francês Didier Blasco venceu a Secção Competitiva para a Melhor Curta-Metragem, eleita pelo público.
Redação