Uma atriz que participou de um filme semiamador que motivou protestos nos últimos dias no mundo islâmico abriu na quarta-feira um processo contra um homem envolvido na produção, acusando esse morador da Califórnia de a ter ludibriado para que participasse nas filmagens, acreditando que se trataria de uma aventura que se passava num deserto, noticia a Reuters.

Cindy Lee Garcia também apontou como réus o YouTube e a empresa controladora desse site, a Google, devido à divulgação do filme pela Internet. A atriz acusa os envolvidos de violação de privacidade e outros ilícitos, e pede a retirada do filme na Internet. O processo tramita na Corte Superior de Los Angeles.

O filme, que tem trechos circulando pela Internet sob vários nomes, nomeadamente «A Inocência dos Muçulmanos», mostra Maomé como mulherengo, homossexual e abusador de crianças.
Redação