O filme «O Silêncio da Neve - A Intoxicação Invisível do Ártico», do realizador holandês Jan van den Berg, é o vencedor do CineEco - Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, escreve a agência Lusa.

O filme ganhou a Campânula de Ouro do festival, correspondente ao Grande Prémio de Ambiente, no valor de 2.500 euros, adiantou à agência Lusa Mário Jorge Branquinho, diretor executivo do certame, que terminou no sábado em Seia.

Segundo o responsável, «O Silêncio da Neve - A Intoxicação Invisível do Ártico» retrata «a sobrevivência nas grandes planícies brancas do Ártico, onde um assassino invisível está a destruir silenciosamente a comunidade inuit na Gronelândia» - a película narra que «resíduos químicos de todo o mundo se vão acumulando invisivelmente e envenenando os indefesos habitantes» daquela zona do globo.

O júri internacional formado por Gaetano Capizzi (Itália), Lisandro Nogueira (Brasil), Gustavo dos Santos (Argentina), Peter Vogelaere (Bélgica), Sandra Teixeira, Ana Brito e Cunha e António Escudeiro atribuiu o prémio Antropologia Ambiental ao filme «Espui», da espanhola Anna Soldevila.

A película «O Cruzeiro de Cascas de Banana», de Salvo Manzone (Itália/França), ganhou o prémio Curta-Metragem e a obra «Aquecimento Global», de Knut Karger (Alemanha), o galardão Educação Ambiental.

O júri da lusofonia constituído por Miguel Pessoa, Joseana Cunhal (Brasil), Pedro Pinto, Isabel Mamede e Manuel Halperne atribuiu o prémio Camacho Costa ao documentário «Fé nos Burros», de João Pedro Marnoto, que também recebeu uma menção honrosa do júri da juventude.

«Uma Só Espera», de L Praino Project (Portugal) recebeu uma menção honrosa e o prémio Panorama Regional foi para o filme «Mondego», de Daniel Pinheiro.

O júri da juventude atribuiu o prémio Longa-Metragem à obra «Ecotopia», de Yuksel Aksu (Turquia) e o de Curta-Metragem a «Carbono por Água», de Evan Abramson & Carmen Elsa Lopez Abramson (EUA).

Na competição internacional da 18ª edição do CineEco estiveram a concurso 13 longas-metragens e 13 curtas. O evento contou ainda com 16 curtas-metragens na competição lusófona e dez no panorama regional, adiantou a organização.

O festival organizado pelo município de Seia visa a divulgação de valores naturais e ecológicos, através do cinema e de atividades culturais que abordam temas da atualidade como a biodiversidade, sustentabilidade, energias renováveis, requalificação urbana, alimentação biológica e compromissos ambientais de uma forma abrangente e pedagógica.

Redação