A atriz norte-americana Natalie Wood talvez tenha sofrido feridas não acidentais antes de morrer por afogamento no mar, em 1981, segundo um novo relatório do Instituto Médico-Legal de Los Angeles, divulgado esta segunds-feira, noticia a AFP.

O relatório, solicitado depois da reabertura do inquérito à morte da atriz em novembro de 2011, relança as dúvidas sobre uma morte que sempre foi objeto de numerosas especulações.

Natalie Wood, então com 43 anos, foi encontrada afogada a 29 de novembro de 1981, quando viajava de barco perto da ilha Catalina, com o seu segundo marido, o ator Robert Wagner, e o ator Christopher Walken, amigo do casal.

Uma reavaliação do relatório do Instituto Médico-Legal, datado de maio, mas divulgado hoje, lembra que os três atores estavam embriagados quando regressaram ao barco, o «Esplendor», depois de terem jantado na ilha, e que tinham continuado a beber a bordo.

O capitão do navio, Dennis Davern, deu pela falta de Natalie Wood antes da meia-noite, mas pensou que tinha ido para a ilha a bordo da canoa de salvamento.

Robert Wagner chamou por socorro cerca das 01:30 horas e o corpo da sua esposa foi encontrado no oceano, a menos de 200 metros da embarcação.

No novo documento, publicado integralmente pelo «Los Angeles Times», o perito médico afirma que algumas das feridas encontradas no corpo da atriz não eram necessariamente devidas a um acidente, do género de queda do barco ou da canoa.

«Devido à presença de equimoses recentes no antebraço direito, no punho esquerdo e no pescoço, o perito não pode excluir que causas não acidentais tenham provocado os ferimentos», pode ler-se no relatório.

Em consequência, a causa da morte foi alterada de «morte por acidente» para «afogamento e outros fatores indeterminados».

O capitão Davern, que tinha sido co-autor de um livro sobre o assunto em 2009, afirmou que Natalie Wood tinha tido uma discussão violenta com o seu marido antes de desaparecer e que este tinha esperado muito antes de chamar socorro.
Redação / CM