O realizador Roman Polanski pediu a um juiz de um tribunal de los Angeles, nos EUA, para o julgar pela sua ausência no julgamento de 1977 que o iria condenar por ter tido sexo com uma rapariga de 13 anos. O realizador não pretende estar presente.

Segundo escreve a agência Reuters, o juiz Peter Espinoza agendou para dia 22 de Janeiro a audição do cineasta franco-polaco, com base num requerimento submetido pelo advogado de Los Angeles de Polanski, Chad Hummel. Esta audição não contaria com a presença do realizador, um facto que a acusação do processo se opõe.

Detido na Suíça em Setembro com base num mandato de captura com cerca de 30 anos, e recentemente libertado para prisão domiciliária, o realizador deverá ficar a saber este mês se será extraditado para os EUA. As autoridades suíças anunciaram há cerca de um mês que a decisão seria anunciada no princípio de 2010. Por não ter comparecido ao julgamento de 1977, e de acordo com a lei californiana, o realizador poderá ser condenado a dois anos de prisão.