A vedeta do cinema francês Gérard Depardieu, que acaba de receber a nacionalidade russa, declarou, durante a sua visita à Chechénia, que gostaria de consagrar um filme a essa república russa, escreve a agência Lusa.

«"Gostaria de ver uma vez mais o que já vi há uns meses atrás: as vossas danças. Essa é a primeira razão. A segunda: gostaria de rodar um filme e provar que se pode produzir um grande filme em Grozny (capital chechena). Não vou revelar pormenores, mas estou seguro que voltarei aqui e que este é apenas o início», acrescentou.

Ramzan Kadirov, dirigente da Chechénia, anunciou ter oferecido ao ator um apartamento de quatro assoalhadas e concedido o título de «cidadão honorário da República da Chechénia».

Kadirov, que dirige uma das repúblicas do Cáucaso do Norte onde têm lugar confrontos frequentes entre tropas russas e guerrilheiros separatistas islâmicos, é acusado por organizações nacionais e internacionais de violar os direitos humanos e governar com «mão de ferro» a Chechénia.

O presidente russo, Vladimir Putin, ofereceu a nacionalidade russa a Gérard Depardieu, de 64 anos, depois de uma polémica do ator com o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, que classificou de «miserável» a sua decisão de trocar a França pela Bélgica por razões fiscais.

O ator Gérard Depardieu optou por registar a sua residência permanente na Rua Demokratitcheskaia (Democrática), na cidade de Saransk, na Mordóvia, uma das repúblicas da Federação da Rússia.
Redação