"É um setor frágil, há pessoas que trabalham à semana e se comprometeram com coisas, vamos supor, até fevereiro, e se não houver dinheiro, ficam sem receber. Há de facto situações graves", disse Pedro Borges à agência Lusa.