O cineasta Michael Moore anunciou um novo documentário, agora sobre Donald Trump, intitulado "Fahrenheit 11/9".

O nome é um trocadilho entre o seu próprio documentário "Fahrenheit 9/11" e a data em que Trump venceu as eleições, em 2016: 9 de novembro.

Mais de uma década depois de ter lançado o célebre documentário “Fahrenheit 9/11", sobre o 11 de Setembro e as razões pelas quais o governo do então presidente George W. Bush lançou o país para a guerra no Iraque e no Afeganistão, que lhe valeu uma Palma de Ouro no festival de Cannes, o cineasta prepara-se para um novo trabalho polémico.

"Sim, estou a fazer um filme para nos tirar desta confusão”, afirmou, no Twitter.

Os produtores Bob e Harvey Weinstein são os mesmos do documentário sobre o 11 de Setembro.

Quando contactado pela agência noticiosa AFP, o estúdio de Bob e Harvey afirmou que os irmãos não poderiam comentar a notícia.

Antes e depois das eleições presidenciais, Moore procurou mobilizar a opinião pública contra Trump e foi uma das poucas figuras públicas a assumir que o então candidato tinha uma forte chance de ganhar.

Três semanas antes da eleição, o cineasta de 63 anos lançou um documentário surpresa, “Michael Moore em Trumpland”, uma ode à candidata democrata Hillary Clinton que realizou em apenas 12 dias.