Depois de um ano de cerimónias de entrega de prémios feitas de forma virtual ou até híbrida, os Óscares de 2021 voltam a trazer a magia da "award season", ainda que com restrições.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas apresenta este domingo a 93ª edição dos Óscares, adiada devido à pandemia de covid-19. Desta vez, a cerimónia será dividida entre dois palcos principais: o Dolby Theatre, tradicional local do evento, e a Union Station, estação histórica de Los Angeles. Fontes ligadas à organização informaram a AFP que também haverá sedes em Londres e em Paris para quem não pode viajar até aos Estados Unidos por causa das restrições.

Inicialmente, a Academia de Hollywood decidiu que os nomeados não podiam participar nos Óscares de forma remota, ao contrário do que aconteceu em cerimónias como os Globos de Ouro e os BAFTA.

A decisão foi duramente criticada, principalmente por artistas que não vivem nos Estados Unidos, como Anthony Hopkins, nomeado na categoria de Melhor Ator. Para além das novas sedes internacionais, ainda não se sabe se a organização irá fazer exceções e permitir que alguns convidados participem por videoconferência.

O regresso da passadeira vermelha, mas em formato mini

A passadeira vermelha sempre foi um dos pontos altos da época de prémios. Com a cerimónia que se avizinha, também o cobiçado tapete vermelho fará o seu regresso, mas bem mais tímido que o habitual.

Uma vez que o público participante, desde os convidados até à imprensa que fará a cobertura, será reduzido para apenas 170 pessoas dentro da Union Station de cada vez, também o tamanho da passadeira foi ajustado.

Não é uma passadeira vermelha tradicional. É uma pequeníssima passadeira vermelha”, explicou uma das produtoras do evento, Stacey Sher.

Em proporção, o local contará com apenas três fotógrafos e um número limitado de meios de comunicação para fazer entrevistas.

Quem serão os apresentadores

Os cinéfilos cansados das cerimónias de entregas de prémios em Hollywood através de videochamada têm motivos para ficar animados: os produtores dos Óscares revelaram um leque de estrelas como Harrison Ford, Brad Pitt e Reese Witherspoon entre os principais apresentadores.

Personalidades como Angela Bassett, Halle Berry, Bong Joon Ho, Don Cheadle, Bryan Cranston, Laura Dern, Harrison Ford, Regina King, Marlee Matlin, Rita Moreno, Joaquin Phoenix, Brad Pitt, Reese Witherspoon, Renée Zellweger e Zendaya tambmém já confirmaram a presença na cerimónia.

Máscaras não serão obrigatórias durante a transmissão

Como a cerimónia principal, que será realizada na Union Station, em Los Angeles, será tratada como uma produção cinematográfica, os convidados e participantes não serão obrigados a usar máscaras durante a transmissão televisiva. 

No entanto, quando as câmaras estiverem desligadas, como, por exemplo, durante os intervalos comerciais, o uso da máscara de proteção facial é recomendado. 

Ainda assim, a organização assegura que todos os convidados terão de medir a temperatura à chegada, e deverão fazer pelo menos três testes de covid-19, nos dias que antecedem a entrega dos prémios. 

Como acompanhar a cerimónia

A TVI preparou um guia para assistir à cerimónia dos Óscares, de forma a que não perca nada. Eis os horários:

  • Oscars: Into the Spotlight (23:30, hora de Portugal Continental)  
    • O pré-evento vai contar com performances das canções indicadas, ao contrário do que é tradição. Celeste and Daniel Pemberton vão interpretar ‘Hear My Voice’ do filme "Os Sete de Chicago". H.E.R. vai cantar ‘Fight For You’ , de Judas E O Messias Negro, Warren junta-se a Laura Pausini para interpretar ‘Io Si (Seen)’ de "The Life Ahead", e Odom Jr vai interpretar ‘Speak Now’ do filme "Uma Noite em Miami".
  • Cerimónia (1:00, hora de Portugal Continental)
  • Oscars: After Dark (entre as 4:00 e 5:00, hora de Portugal Continental)
    • O pós-evento, apresentado por Colman Domingo e Andrew Rannells, começa logo após a cerimónia, com entrevistas, melhores momentos, e os vencedores a receber as estatuetas já personalizadas.
Rafaela Laja