É caso para dizer: a força voltou a não estar com Star Wars nos Óscares. Na última cerimónia de entrega das estatuetas douradas, que ocorreu no domingo, o filme “Rogue One” perdeu nas duas categorias em que estava nomeado - Mistura de Som e Efeitos Especiais. De resto, o último filme da saga premiado pela Academia é dos anos 80. Um jornalista do Mashable foi tentar perceber porquê.

O último filme de Star Wars a vencer um Óscar foi o “Episódio VI: O Regresso do Jedi”, de 1983. A obra venceu, no ano seguinte, uma estatueta especial, um “Special Achievement Award”, graças aos seus Efeitos Especiais.

Antes, com o segundo filme, “Episódio V: O Império Contra-Ataca”, de 1980, Star Wars tinha levado dois Óscares: Mistura de Som e um Óscar especial, o “Special Achievement Award”, também pelos seus efeitos especiais.

Mas o filme mais premiado foi, na verdade, o primeiro, “Episódio IV: Uma Nova Esperança”, de 1977. A obra teve um sucesso estrondoso entre o público, batendo recordes de bilheteira e a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas não ficou indiferente.

No total, foram sete os Óscares conquistados pelo filme, que marcou o início da chamada era dos blockbusters.

Mas apesar de esta ter sido a cerimónia em que recebeu o maior número de galardões, mesmo aí Star Wars perdeu nas categorias mais desejadas: a de Melhor Filme, a de Melhor Realização e a de Melhor Argumento, que foram para “Annie Hall”, de Woody Allen.

Ora, depois de 1984, e apesar de terem sido lançados mais cinco filmes, Star Wars não voltou a ser distinguido pela Academia.  

Este ano, o filme “Rogue One” estava nomeado em duas categorias: Mistura de Som, que perdeu para “O Herói de Hacksaw Ridge”, e Efeitos Especiais, que perdeu para “O Livro da Selva”.

É certo que George Lucas, o principal criador da saga, sempre se distanciou do cinema de Hollywood, e a ele os Óscares dizem muito pouco. Mas um pouco por todo o mundo, os fãs questionam: por que é que Star Wars deixou de ganhar Óscares, mesmo nas categorias em que são envolvidos muitos recursos como é a dos Efeitos Especiais? Por que é que este ano voltou a ficar em branco?

Ora, não será porque a Academia não gosta de ficção científica e basta lembrar que este ano "Arrival – O Primeiro Encontro" ganhou um Óscar de Edição de Som. E também não será por que a Academia não gosta de franchises pois “Monstros fantásticos e onde encontrá-los" ganhou um Óscar para Melhor Guarda-roupa”. Qual será então a razão?

Ora, a conclusão a que chegou o jornalista do Mashable é mais simples do que o que se poderia imaginar: trata-se de uma questão de azar. Azar porque Star Wars tem tido adversários de peso, explica Chris Taylor.

Tal como em 1977, o primeiro filme da saga teve "Annie Hall", que é só considerado um dos melhores filmes da carreira de Woody Allen, como adversário, em 2017, "Rogue One" teve concorrência à altura, quer na Mistura de Som, quer nos Efeitos Especiais.

Mas a possibilidade de quebrar esta maré de "azar" permanece viva. Com novos filmes no horizonte, "O Útimo Jedi" e um filme sobre Han Solo já estão a caminho, os fãs não perdem a esperança de ver novamente Star Wars a ganhar um Óscar. 

/ SS