Steve Martin e Chris Rock foram os primeiros anfitriões da noite dos Óscares, que voltou a não ter um apresentador. E não perderam tempo, tocando logo nas duas grandes feridas desta edição: a ausência de mulheres na categoria de Melhor Realização e o facto de haver apenas um ator negro nomeado

Steve Martin começou por dizer que este ano houve muitos bons realizadores nomeados, mas que achou que estava a faltar qualquer coisa. “Vaginas?”, questionou logo Chris Rock, o que suscitou um grande aplauso da plateia.

De resto, a ausência de mulheres na categoria de Melhor Realização já tinha sido lembrada na passadeira vermelha pela atriz Natalie Portman, que escolheu levar uma capa onde estavam bordados os nomes das realizadoras esquecidas pela Academia.

O facto de só haver um ator negro nomeado, neste caso uma atriz, Cynthia Erivo - nomeada pelo seu desempenho como a ativista negra Harriet Tubman - foi outra das polémicas abordadas no diálogo entre Steve Martin e Chris Rock.

"Pensem o quanto os Óscares mudaram nos últimos 92 anos. Em 1929 não havia nenhum ator negro nomeado", afirmou Martin. Ao que Chris Rock respondeu:  "Sim, e em 2020 temos um.”

 Cynthia Erivo fez um trabalho tão bom a esconder pessoas negras em Harriet que a Academia a escolheu para esconder todos os nomeados negros!”, atirou Chris Rock.

A cerimónia começou com um momento musical protagonizado por Janelle Monáe e Billy Porter, marcado por várias alusões aos vários filmes nomeados, com os próprios bailarinos a vestirem-se como personagens, desde “Joker” às “Mulherzinhas”.