O escritor e argumentista norte-americano William Goldman, que escreveu para vários filmes de grande sucesso como "Os Homens do Presidente" ou "O Homem da Maratona", morreu na sexta-feira com 87 anos, anunciou a sua família.

Natural de Highland Park, no estado de Illinois, começou como romancista e publicou seu primeiro romance aos 26 anos, "O Templo de Ouro", bem recebido pelos críticos. Contudo, foi como argumentista que alcançou sucesso mundial, escrevendo uma impressionante série de produções de Hollywood.

"Dois Homens e Um Destino" (1969), protagonizado por Paul Newman e Robert Redford, foi o filme com o qual ganhou o primeiro Óscar para Melhor Argumento, seguindo-se "Os Homens do Presidente" (1976), que lhe assegurou uma segunda estatueta. "O Homem da Maratona" (1976), "Uma Ponte Longe Demais" (1977), "A Princesa Prometida" (1987) e "Misery - O Capítulo Final" (1990) foram outros filmes que marcaram a carreira de Goldman.

Numa entrevista à cadeia norte-americana PBS em 2000 explicou que temeu durante toda a sua vida irritar o espetador e que usou sistematicamente uma série de "truques" para o entreter.

"O que eu tenho é o que eu tinha quando comecei: um sentido de diálogo e de história", afirmou, modestamente, admitindo que não tinha capacidade para a encenação.

Goldman assegurou que não tinha uma receita para escrever o argumento para um filme, mas que "gostaria que houvesse uma", brincou na entrevista.

William Goldman escolheu residir em Nova Iorque, longe da indústria cinematográfica de Hollywood, que sempre abominou.